Variante de Manaus representa 64,4% das infecções por Covid-19 em SP

Os dados foram divulgados pela secretaria municipal de saúde nesta sexta-feira (26); a variante do Reino Unido surge em 6,8% das amostras analisadas

Rafaela Lara, da CNN, em São Paulo
26 de março de 2021 às 12:01 | Atualizado 26 de março de 2021 às 12:54

Após monitorar as variantes do coronavírus na cidade de São Paulo, a secretaria municipal de saúde informou que a variante P1, que teve origem em Manaus, está presente em 64,4% das infecções por Covid-19 na cidade 

A variante descoberta no Reino Unido também está presente nas amostras analisadas, mas em menor frequência – ela foi detectada em 6,8% das amostas. Estas são consideradas variantes de preocupação (VOC, na sigla em inglês) por se trataram de mutações com maior potencial de transmissão. 

No Rio, a variante amazônica já representa 83% dos casos de coronavírus.

Durante a coletiva, o secretario municipal de saúde, Edson Aparecido, informou que das 92 amostras analisadas, das quais 73 eram de residentes do município, "52 deras foram consideradas variantes de preocupação, ou seja, 71,2%".

Análise das variantes da Covid em SP
A secretaria municipal de saúde de São Paulo detalhou a situação das variantes do coronavírus na cidade
Foto: Reprodução/SMS

"A somatória das duas variantes mostra o impacto da situação epidemiológica no município, geograficamente é possível perceber que temos as duas variantes em todas as regiões do município, com mais de 71% dos vírus", disse Aparecido.

Ainda segundo as análises feitas pela secretaria, há um crescente número de notificações e casos até a primeira semana de março. "Visivelmente, há uma aceleração nos casos na cidade de São Paulo", disse o secretario.

Para medir a frequência das variantes, a secretaria adotou uma metodologia de análise de amostras de RT-PCR processadas na primeira semana de março com um reagente específico para detecção de variantes.