Lockdown é única solução a curto prazo, diz ex-presidente da Anvisa

Sanitarista Claudio Maierovitch defende interrupção de atividades para diminuir mortes causadas pela Covid-19

Produzido por Layane Serrano, da CNN, em São Paulo
31 de março de 2021 às 15:26 | Atualizado 31 de março de 2021 às 15:32

Em entrevista à CNN, o médico sanitarista da Fiocruz Brasília e ex-dirigente da Anvisa Claudio Maierovitch criticou as declarações do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) após a primeira reunião do comitê criado para coordenar ações de combate à pandemia no país.

Nesta quarta-feira (31), os membros do Comitê de Coordenação Nacional para Enfrentamento da Pandemia da Covid-19 discutiram formas de ampliar a participação da iniciativa privada na compra de vacinas. Ao fim da reunião, Bolsonaro voltou a criticar as medidas de restrição impostas por governos estaduais e municipais.

"Se forma um comitê, ainda que precário e meio de fachada, ele começa a funcionar e o próprio presidente vai no outro sentido, ignorando completamente que existe alguém discutindo aquilo", disse Maierovitch.

"A única solução que temos no curto prazo para diminuir um pouco o número de mortes é um lockdown, é interromper tudo aquilo que pode ser interrompido nesse momento, por pelo menos três semanas", completou.

Para o especialista, o presidente da República "cassa a voz" de autoridades públicas e sanitárias ao incitar que as pessoas vão às ruas. "[Chama] as pessoas para que se exponham ao risco e ponham outras em risco. Então, infelizmente, vamos continuar ostentando números assombrosos e assustadores [de mortes por Covid-19]". 

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) falou sobre medidas restritivas adotadas pelos governadores
Foto: CNN Brasil (31.mar.2021)