Empresas podem comprar vacinas contra a Covid-19 no México e em países asiáticos

Colômbia e Guatemala estudam medida para compra de imunizantes por empresas

Anna Gabriela Costa, Fabricio Julião e Henrique Andrade*, da CNN, em São Paulo
06 de abril de 2021 às 19:49

Cinco países já podem negociar a compra de vacinas contra a Covid-19 por meio do setor privado. De acordo com levantamento feito pela CNN, México, Paquistão, Tailândia, Filipinas e Malásia fazem parte dessa lista, enquanto Guatemala e Colômbia já sinalizaram a intenção em viabilizar os imunizantes por meio de empresas e estão em fase de análise da medida a ser adotada para validar o procedimento.

O México permitiu a compra de vacinas contra a Covid-19 pelo setor privado no início deste ano. O governo mexicano publicou uma ação extraordinária no Diário Oficial local no dia 25 de janeiro, que prevê acordos de aquisição dos imunizantes pelos governos estaduais e pessoas físicas e jurídicas dos setores social e privado.

No Paquistão, a Justiça local concedeu, em 1º de abril,  a autorização para que um lote da vacina russa Sputnik V, importado por uma empresa privada, fosse disponibilizado ao público para compra.

O governo paquistanês permitiu a aquisição de imunizantes contra o vírus pelo setor privado em março deste ano. Inicialmente, o governo concordou em isentar as vacinas de teto de preço, mas voltou atrás e disse que estabeleceria valores máximos.

A decisão colocou o governo do Paquistão e as empresas farmacêuticas em disputa e paralisou a venda comercial da vacina.

Já na Tailândia, o  presidente da Federação das Indústrias Tailandesas (FTI), Supant Mongkolsuthree, disse em março deste ano que o governo permitiu a aquisição de 100 mil doses adicionais da vacina chinesa Sinovac para serem usadas e pagas pelo setor privado. 

A segunda fase da campanha de vacinação em massa da Tailândia está programada para junho deste ano.

O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, determinou, no dia 29 de março, que o secretário Carlito Galvez Jr. aprovasse documentos que permitirão ao setor privado importar vacinas contra a Covid-19.

"Ordenei ao secretário Galvez que assinasse todo e qualquer documento que permitisse ao setor privado importar à vontade. Não importa quanto ou quantos eles queiram importar, está tudo bem para mim", disse Duterte. 

Na Malásia, os hospitais privados receberão a permissão para negociar com fornecedores a compra de vacinas contra o novo coronavírus, disse o coordenador do Programa Nacional de Imunização Covid-19, Khairy Jamaluddin. A informação foi divulgada pela agência de informação estatal do país em 29 de março deste ano. 

O coordenador, no entanto, afirmou que a entrega dos imunizantes ao setor privado só poderá ser feita no terceiro e quarto trimestres de 2021.

O Ministério da Saúde da Colômbia estaria próximo de emitir regulamentos para que o setor privado possa comprar vacinas contra a Covid-19, segundo a mídia local.

O governo colombiano já sinalizou a intenção de permitir a aquisição do imunizante também por meio do setor privado, e uma resolução com uma série de normas a serem cumpridas pelas empresas interessadas deverá ser emitida nas próximas semanas, ainda segundo a imprensa local. 

“O Ministério da Saúde vai expedir em um prazo de duas semanas a resolução que viabiliza o processo de negociação por parte do setor privado, para que, assim que inicie o processo de negociação, estabeleça os termos de compra e entrega das vacinas”, disse o diretor do Departamento Administrativo da Presidência da República, Víctor Muñoz, em entrevista ao periódico colombiano SEMANA, no fim de março.

Na Guatemala os empresários estão pressionando para a aquisição de vacinas contra a Covid-19 pelo setor privado, mas o governo local ainda não tomou um posicionamento sobre o caso. Javier Zepeda, diretor executivo da Câmara da Indústria da Guatemala (CIG), disse à mídia local que abordagens ao governo já foram feitas.

*Com informações da Reuters