Paes diz que reserva de emergência garante segunda dose da Coronavac no RJ

A prefeitura tinha reservado em torno de 320 mil doses da Coronavac, que vêm sendo utilizadas ao longo da semana devido ao atraso na entrega dos imunizantes

Isabelle Saleme, Camille Couto e Pauline Almeida, da CNN, no Rio de Janeiro
29 de abril de 2021 às 09:18 | Atualizado 29 de abril de 2021 às 10:53

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (DEM) disse que a população carioca pode ficar tranquila porque a prefeitura, ao contrário do que indicou o Ministério da Saúde, fez uma reserva técnica para a segunda aplicação da vacina Coronavac.

“É óbvio que ela não é uma reserva de 100%, mas é uma reserva que nos dá esse conforto caso aconteça um atraso como aconteceu essa semana, a gente continua aplicando. Nós temos sim condições de fazer isso até o fim de semana. Esperamos que na segunda-feira, como o prometido, cheguem as doses da vacina”, afirmou Paes. 

Segundo o secretário municipal de Saúde do Rio, Daniel Soranz, a prefeitura tinha reservado em torno de 320 mil doses da Coronavac, que vêm sendo utilizadas ao longo da semana por causa do atraso das remessas de imunizantes. Para tomar a segunda dose, no entanto, os cariocas precisam comparecer ao mesmo posto de saúde onde recebeu a primeira.

Novos lotes são aguardados para os próximos dias, mas de acordo com o secretário estadual de Saúde, Carlos Alberto Chaves a “quantidade é insignificante”. Serão, ainda  segundo ele, 27.260 doses da AstraZeneca e 10.200 da Coronavac.

“Estamos na expectativa de que a Fiocruz  libere mais amanhã”, informou Chaves. Pelo menos 14 municípios do estado já precisaram interromper a aplicação da segunda dose por falta de imunizante. 

Aplicação de dose da vacina contra a Covid-19 em agentes de segurança na zona central do Rio de Janeiro
Foto: Dikran Junior/Enquadrar/Estadão Conteúdo

Vacinação na capital

A capital fluminense se aproxima para 1,5 milhão de vacinados, segundo o painel da Saúde, o que corresponde a 21,4% da população. Mais de 580 mil pessoas foram imunizadas com as duas doses.

Nesta quinta-feira (29) o prefeito participou da inauguração de mais um posto de vacinação contra a Covid-19 na cidade.

Agora, quem faz parte do grupo prioritário da imunização pode receber a dose por meio do sistema drive-thru na Base Aérea do Galeão, na Ilha do Governador, na zona norte da cidade. O posto, que terá atendimento no sistema drive-thru, funcionará de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, e aos sábados, de 8h às 12h.

Doses trocadas 

A Secretaria Municipal de Saúde informou que está monitorando 100 casos de pessoas que receberam a primeira e segunda doses da vacina contra a Covid-19 de fabricantes diferentes, o que não é recomendado.

A orientação do secretário Soranz é que se desconsidere a primeira dose. “Não pode ter mistura de dose. Isso é uma discussão técnica um pouco complexa. A princípio, como a gente está trabalhando? Se você não tomou duas doses do mesmo imunizante, você tem que desprezar a primeira dose e fazer o esquema completo da segunda vacina”, explicou.

Vacinação contra a Covid-19 na Marquês de Sapucaí (22.abr.2021)
Foto: Reprodução / CNN

Segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações, Renato Kfouri, ainda não há estudos sobre esse "intercâmbio" de doses. No entanto, ele destaca que não é aconselhável tomar a terceira dose porque seria arriscado expor o corpo a uma alta taxa viral.  

"Não é possível afirmar que tem riscos, até porque são vacinas sem componentes vivos. O que poderia influenciar é na proteção, mas não há estudos confirmando se diminui ou aumenta a imunização nesses casos. O aconselhável é não tomar uma terceira dose da vacina”, afirma.

Já a Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro informou que, em casos nos quais a segunda dose seja aplicada com menos de 14 dias, ela deverá ser desconsiderada e reagendada, conforme o intervalo indicado pelo fabricante da primeira vacina recebida.