Covid-19: Pessoas com comorbidades deverão levar atestado com CRM na vacinação

Medida será adotada com o intuito de evitar fraudes e apresentação de atestados médicos falsos

Bruna Macedo e Weslley Galzo, da CNN, em São Paulo
30 de abril de 2021 às 11:54 | Atualizado 30 de abril de 2021 às 12:21
Vacinação nas Filipinas
Idosa recebe vacina contra a Covid-19 em ação de vacinação
Foto: Getty Images

O governo do estado de São Paulo adotará a obrigatoriedade de apresentação de atestado e receita médica com o registro no CRM (Conselho Regional de Medicina) do profissional responsável pelo acompanhamento do paciente com comorbidade.  

A informação foi divulga pelo governo estadual a um grupo de jornalista na manhã desta sexta-feira (30), durante entrega de novo lote de vacinas em evento na sede do Instituto Butantan, e confirmada pela equipe da CNN.

A medida do governo estadual será adotada com o intuito de evitar fraudes e apresentação de atestados médicos falsos. Com o controle por meio do registro médico, as autoridades estaduais esperam conseguir detectar as tentativas de burlar os requisitos do Programa Nacional de Imunizações (PNI).

O CRM do médico ficará cadastrado no banco de dados da Secretaria de Saúde para fins de consultas futuras durante a vacinação do grupo prioritário. Se um mesmo registro profissional aparecer várias vezes na campanha, o governo vai procurar o Conselho Regional e inquirir o médico.

O governo também informou que os caminhoneiros serão convocados para receber a vacina contra a Covid-19 assim que for decretada a ampliação da campanha de vacinação para pessoas abaixo de 60 anos e com comorbidades, seguindo as orientações do PNI.