Saúde anuncia antecipação de 4 milhões de doses de Oxford pelo consórcio Covax

Segundo a pasta, a articulação para a antecipação das doses será feita pelo Ministério da Saúde em parceria com a Organização Pan-americana da Saúde (Opas)

Daniel Fernandes, da CNN, em São Paulo
20 de maio de 2021 às 19:46 | Atualizado 20 de maio de 2021 às 21:26

O Ministério da Saúde anunciou nesta quinta-feira (20) que um lote com 4 milhões de doses da vacina de Oxford/AstraZeneca contra a Covid-19 previsto para chegar ao país no terceiro trimestre do ano através do consórcio Covax Facility foi antecipado e, por isso, será enviado ao Brasil em junho.

Segundo a pasta, a articulação para a antecipação das doses será feita pelo Ministério da Saúde em parceria com a Organização Pan-americana da Saúde (Opas).

O acordo do Brasil com o consórcio, que é uma iniciativa liderada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), prevê mais de 42 milhões de doses neste ano.

O consórcio Covax Facility é um esforço global da Coalizão para Promoção de Inovações em prol da Preparação para Epidemias (Cepi), da Aliança Mundial para Vacinas e Imunização (Gavi), do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).

Iniciativa enfrenta dificuldades

Em entrevista à CNN neste mês de maio, o médico sanitarista e diretor-assistente da Opas Jarbas Barbosa disse que o consórcio Covax Facility tem tido problemas para a entrega das doses programadas para os países, como o Brasil, que aderiram ao programa.

“O mecanismo Covax tem enfrentado dificuldades, como muita gente no mundo, em relação à entrega de vacinas. Um dos grandes produtores de vacinas do mundo, o Serum Institute, da Índia, não está tendo as exportações autorizadas pelo governo”, afirmou Jarbas em entrevista à CNN.

Por conta do agravamento da pandemia na Índia, o consórcio deve ter um déficit de 140 milhões de doses, de acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), um dos parceiros da organização.

Doses do imunizante chegarão ao país pelo consórcio Covax Facility
Foto: Valentyn Ogirenko/Reuters (5.mar.2021)

O Unicef disse em um comunicado que esperava que a Covax tivesse entregue 170 milhões de doses de vacinas esta semana, mas a falta de oferta da Índia –  sede do Serum Institute of India, maior fabricante mundial de vacinas – resultou em uma “redução severa" nos imunizantes disponíveis para o esquema de distribuição igualitária de vacinas.

Apesar dos problemas, nesta quarta-feira (19), o coordenador da Covid Global dos Estados Unidos, Gayle Smith, afirmou que o país vai doar um número significativo de vacinas contra a Covid-19 por meio do esquema Covax.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou na segunda-feira (17) que seu governo enviará até o final de junho um total de 20 milhões de doses das vacinas Pfizer/BioNTech, Moderna e Johnson & Johnson, além de 60 milhões de doses AstraZeneca que ele já tinha planejado para dar a outros países.