Entenda por que cientistas ainda estudam se a Covid-19 surgiu em laboratório

Falta de clareza sobre origem do novo coronavírus favorece teoria de que doença surgiu em laboratório; especialistas dizem que são necessários mais estudos

Análise de Zachary B. Wolf, da CNN
26 de maio de 2021 às 07:45 | Atualizado 26 de maio de 2021 às 07:46
Imagem de laboratório
Falta de clareza sobre origem da Covid-19 favorece teoria de que doença teria surgido em laboratório
Foto: Getty Images (Westend61)

Os Estados Unidos estão mais perto do que nunca de superar a Covid-19, com metade do país vacinado e mais restrições retiradas.

Mas estamos longe de saber como esse vírus, que fez o mundo parar, surgiu – o que é muito assustador, já que há sugestões crescentes de que ele não ocorreu apenas naturalmente, como muitos especialistas, há muito tempo, argumentam.

Os EUA, com cada vez mais urgência, estão pedindo mais estudos, alertando sobre os riscos de futuras pandemias e considerando mais abertamente a ideia de que erros ou um acidente em um laboratório chinês causaram a pandemia do novo coronavírus. O governo chinês diz que o caso está encerrado.

O que há de novo?

Um relatório da inteligência dos EUA apontou que vários pesquisadores do Instituto de Virologia Wuhan da China adoeceram em novembro de 2019 e tiveram que ser hospitalizados, um novo detalhe sobre a gravidade de seus sintomas. 

Não está claro se os pesquisadores contraíram Covid-19 e o laboratório negou veementemente o relatório, dizendo que é uma mentira forçar a chamada teoria do vazamento de laboratório como a origem da doença.

Cientistas afiliados ao instituto disseram anteriormente que não entraram em contato com a Covid-19 até 30 de dezembro.

Na verdade, os Estados Unidos forneceram algum financiamento para o estudo dos coronavírus e sua transmissão por morcegos, que chegaram ao Instituto de Virologia de Wuhan.

Relatório de inteligência dos EUA apontou que vários pesquisadores do Instituto de Virologia de Wuhan adoeceram em novembro de 2019
Foto: Reuters

No Capitólio, na terça-feira (25), o médico Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, disse que teria sido um "abandono do dever" não financiar pesquisas do coronavírus em morcegos na China.

"Você não quer estudar morcegos em Fairfax County, na Virgínia, para descobrir qual é a interface humano-animal que pode levar a um salto de espécies", disse Fauci, acrescentando que os EUA têm que ir "para onde está a ação. "

Separadamente, na Casa Branca, Fauci disse que muitos cientistas ainda acreditam que a doença ocorreu naturalmente, mas também é imperativo chegar ao fundo dessa teoria com mais investigações.

Um conselheiro da Organização Mundial de Saúde (OMS), Jamie Metzl, disse que a teoria do vazamento de laboratório é possível enquanto os cientistas estão "cutucando e estudando" vírus com a boa intenção de desenvolver vacinas.

"Então eu acredito que o que possivelmente aconteceu foi um vazamento acidental seguido por um encobrimento criminal", disse Metzl, que foi funcionário do governo de Bill Clinton no Departamento de Estado dos EUA e é membro sênior do Conselho do Atlântico.

Fauci, o maior especialista em doenças infecciosas dos EUA, também disse esta semana que não está convencido de que a doença ocorreu naturalmente e pressionou por mais investigações. Esse é o destaque aqui: é preciso haver mais investigação.

Versão oficial sobre a origem da Covid-19 não é boa o suficiente

Um estudo aprofundado realizado pela OMS com o governo chinês, publicado em março, explorou diferentes origens possíveis da doença e concluiu que, embora ainda não fosse possível comprovar como a doença evoluiu, era provável que tenha sido transferida para humanos diretamente de morcegos, ou mais provavelmente de uma espécie intermediária que o pegou dos morcegos e depois o passou para os humanos.

O relatório da OMS argumentou que a teoria do vazamento de laboratório era "extremamente improvável", embora citasse a falta de trabalhadores de laboratórios infectados antes de dezembro como um argumento contra a teoria. 

Mercado de frutos do mar de Huanan, em Wuhan, apontado pela China como origem dos casos do novo coronavírus
Foto: CNN

O relatório da inteligência dos EUA, agora, sugere que trabalhadores de um laboratório adoeceram antes de dezembro.

Além disso, mesmo quando foi publicado, os funcionários da OMS pediram investigação adicional e abertura por parte dos chineses.

Acobertamentos no início

No início do surto, sobre o qual a China não avisou apropriadamente o mundo, as autoridades chinesas atribuíram a transmissão a um ponto de acesso inicial, um mercado de frutos do mar em Wuhan, embora agora isso pareça ser essencialmente uma mentira, de acordo com Metzl.

Na verdade, há ampla evidência de que o governo chinês tentou encobrir a existência do vírus. Em fevereiro, a CNN publicou uma reportagem com informações de que denunciantes alertaram sobre o vírus quando ele estava se espalhando e foram punidos por isso. Alguns desapareceram, outros foram detidos pelas autoridades chinesas, enquanto outros contraíram e morreram de Covid-19.

Essa reportagem inclui um cronograma de advertências de médicos na China em comparação com a inércia do governo.

"Seja qual for a origem da pandemia, aquele primeiro mês em que a China estava gastando toda a sua energia tentando encobrir as coisas, em vez de resolver o problema, foi que permitiu que o fogo em um fogão se transformasse em um incêndio na cozinha para, depois, se tornar um incêndio doméstico até chegar a um indêncio mundial", disse Metzl.

A China não está disposta a se submeter a uma investigação aberta; insistiu em parâmetros estritos para o estudo anterior da OMS. O governo dos EUA e outros criticaram a falta de transparência e a OMS também pediu mais estudos. O governo Biden voltou a ingressar na OMS depois que Donald Trump retirou os EUA da organização global de saúde.

Necessidade de mais estudos

Um grupo de cientistas proeminentes com experiência relevante criticou o relatório da OMS por não levar a teoria do vazamento de laboratório a sério o suficiente – ele foi descartado em algumas páginas de um relatório de várias centenas de páginas.

"Devemos levar a sério as hipóteses sobre as repercussões naturais e laboratoriais até que tenhamos dados suficientes", escreveram os cientistas na Science Magazine.

As portas fechadas também ajudaram as teorias da conspiração a crescer. Quanto mais evidências houver para a teoria do vazamento de laboratório, mais ela valida pessoas como o senador republicano do Arkansas Tom Cotton, que defendeu a ideia de que o vírus foi criado intencionalmente como uma arma biológica. 

Não há evidências que apoiem especificamente essa afirmação e os especialistas ainda dizem que é uma teoria improvável. O jornal Washington Post publicou uma análise de como as questões – levantadas por republicanos como Cotton, bem como por membros do governo Trump, e agora do governo Biden – levaram a uma reavaliação das origens da doença, que não foram definitivamente rastreadas.

O médico Paul Offit, um especialista em doenças infecciosas da Escola de Medicina Perelman da Universidade da Pensilvânia, disse ao Wolf Blitzer da CNN que era improvável que o laboratório de Wuhan tivesse manipulado o vírus para torná-lo mais contagioso usando a pesquisa controversa de ganho de função, mas que isso precisa ser esclarecido.

Isso vai acontecer de novo

Embora as autoridades chinesas não estejam dispostas a permitir tal investigação aberta, Offit disse que o mundo precisa dela para se proteger contra outra pandemia.

"O que eu sei é que eles têm que permitir isso", disse Offit. "Esta é agora a terceira cepa pandêmica que se destacou nos últimos 20 anos. A primeira foi a SARS 1, a segunda foi a MERS. Acho que podemos presumir que não terminamos com isso [os coronavírus]."

E ele continuou: "Precisamos saber disso [contaminações por coronavírus] no minuto em que acontecer. Quer dizer, é injusto que tenhamos que contar com um denunciante na China para nos dizer que havia um vírus circulando em Wuhan que estava matando pessoas. Isso atrasou as coisas. Não nos deu a chance de agirmos tão rapidamente quanto precisávamos e eu acho que eles são culpados por isso."

(Texto traduzido; leia o original em inglês)