Correspondente Médico: 15% dos brasileiros têm anticorpos contra Covid-19

Neurocirurgião Fernando Gomes comenta pesquisa coordenada pela Universidade de São Paulo que testou 120 mil pessoas para o novo coronavírus

Raphael Florêncio, da CNN, em São Paulo
27 de maio de 2021 às 11:58 | Atualizado 27 de maio de 2021 às 12:27

Na edição desta quinta-feira (27) do quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, o neurocirurgião Fernando Gomes comentou uma pesquisa da USP (Universidade de São Paulo) que demonstra que 15% da população brasileira já desenvolveu antígenos contra o Sars-CoV-2.

Para o estudo ser feito, foram testadas cerca de 120 mil pessoas em mais de 130 municípios pelo país. Menos de 1% da amostra afirmou ter recebido a vacina contra a Covid-19. O Amazonas foi o estado que teve o índice mais alto do país. No total, 31% da população amazonense já tem anticorpos.

“Este dado tem um papel bastante interessante. Se 1% da amostra se diz vacinada e a gente tem 15% desta população com anticorpos, todos os estudos com vacina que forem feitos daqui para frente, levando em consideração que a gente pode ter uma ‘contaminação de dados’, devem testar os participantes antes."

O médico acredita que esta será uma forma dos resultados apontarem que os anticorpos foram realmente desenvolvidos pela aplicação da vacina.

O neurocirurgião explica que ter anticorpos detectáveis significa que a pessoa teve contato com o vírus e, de alguma forma, seu sistema imunológico foi capaz de produzir a defesa, no entanto, ele faz uma ressalva em relação ao combate da doença. “Lembrando que não é simplesmente a questão dos antígenos e não é simplesmente a busca tradicional dos exames que significa que os anticorpos são neutralizantes e têm o papel contra o coronavírus.” Além disso, ele destaca a importância da vacina contra a Covid-19 para evitar mortes e garantir uma imunização eficaz.

As vacinas contra a Covid-19 garantem proteção porque previnem a doença, especialmente nas formas graves, reduzindo as chances de morte e internações.

Embora não impeçam o contágio e nem a transmissão do vírus, a vacinação é essencial, já que induz o sistema de defesa do corpo a produzir imunidade contra o coronavírus pela ação de anticorpos específicos, segundo a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).