'Enxugar gelo', diz ex-presidente da Anvisa sobre medidas contra cepa da Índia

Para o médico sanitarista Claudio Maierovitch, é 'inevitável' a disseminação da nova variante da Covid-19 no Brasil

Da CNN, em São Paulo
28 de maio de 2021 às 16:33

Médico sanitarista da Fiocruz e ex-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Claudio Maierovitch criticou, em entrevista à CNN, as medidas preventivas adotadas por estados e municípios contra a variante da Covid-19 originária da Índia.

"Essas medidas são como enxugar gelo. Elas podem funcionar e, talvez, até retardar um pouco a entrada de alguns viajantes. Mas a questão é que temos um ritmo muito intenso de transmissão [do novo coronavírus] no Brasil", afirmou o médico. "Qualquer viajante que chegue e tenha o vírus encontra um ambiente muito propício para a sua propagação."

Para Maierovitch, as medidas sanitárias adotadas para monitoramento de cepa da Índia no país são pouco eficazes. "É pouco efetivo fazer a contenção de algumas pessoas que eventualmente apresentem sintomas se nós temos condição tão favorável para a transmissão aqui."

O ex-presidente da Anvisa também criticou a postura das autoridades de saúde e da sociedade ante a fase atual da pandemia. "Estamos em um dos piores momentos da pandemia e com a vida normal. Deveríamos estar com viagens suspensas, e não com restrição a um país ou outro", disse. "Não é a questão da entrada de uma nova variante ou não, mas o que estamos vivendo hoje e caminhamos, independentemente de qualquer variante, para o aumento que vemos nos últimos dias e vai lotar novamente os serviços de saúde."

 

Movimentação intensa em lojas da Rua 25 de Março, área de comércio popular no centro de São Paulo, durante a pandemia
Foto: Werther Santana/Estadão Conteúdo