Covid-19: o que sabemos sobre a variante Delta encontrada na Índia

Variante de preocupação está se espalhando mais rápido que o esperado; mas descobertas indicam que vacinas são eficazes contra ela

Ivana Kottasová e Sheena McKenzie, da CNN*
11 de junho de 2021 às 11:16
Cientistas estudam variações do coronavírus
Cientistas estudam variações do coronavírus
Foto: Phil Noble/Reuters

Uma variante do coronavírus detectada pela primeira vez na Índia em fevereiro agora se tornou global, surgindo em dezenas de países e levantando temores de que a cepa possa desencadear uma onda de infecção que possa sobrecarregar os sistemas de saúde, reverter planos de reabertura e até mesmo potencialmente prejudicar o lançamento de vacinas.

A cepa B.1.617.2, oficialmente conhecida como variante Delta, está preocupando as autoridades de saúde em todo o mundo, inclusive nos Estados Unidos. A variante Delta agora é responsável por mais de 6% das amostras de vírus sequenciadas nos EUA, de acordo com dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC, na sigla em inglês).

Embora possa parecer uma parcela relativamente pequena, a velocidade de seu crescimento é preocupante. Um mês atrás, a cepa representava pouco mais de 1% das amostras de vírus sequenciadas, de acordo com os dados do CDC.

Os especialistas acreditam que a variante Delta desencadeou a enorme onda de infecções observada em toda a Índia nos últimos dois meses. Isso agora está causando preocupação no Reino Unido, onde agora compreende 91% dos novos casos, de acordo com o secretário de saúde Matt Hancock.

A propagação da variante disseminada veio ao mesmo tempo que um aumento considerável no número de casos no Reino Unido nos últimos dias, aumento que levou o governo a enviar militares nas áreas mais duramente atingidas para ajudar a executar o programa de teste e rastreamento.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) designou B.1.617 e suas sublinhas, incluindo B.1.617.2, como "variantes de preocupação" em 10 de maio. Essa classificação significa que uma variante pode ser mais transmissível ou causar doenças mais graves, não responder ao tratamento, evitam a resposta imune ou deixam de ser diagnosticados por testes padrão.

A variante Delta foi a quarta a ser declarada uma "variante de preocupação" pela OMS; os outros são B.1.1.7, que foi visto pela primeira vez no Reino Unido e agora é conhecido como a variante Alpha; B.1.351, ou Beta, detectado pela primeira vez na África do Sul; e P.1, primeiro encontrado no Brasil e agora denominado Gamma.

Aqui está o que você precisa saber.

É mais contagioso?

Os especialistas agora acreditam que a cepa Delta é provavelmente mais transmissível.

Hancock disse no fim de semana passado que a cepa é "cerca de 40% mais transmissível" do que a variante Alpha, anteriormente dominante, que já era mais transmissível em comparação com a cepa original do vírus.

Em uma entrevista coletiva sobre Covid-19 na Casa Branca na terça-feira, o diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, Dr. Anthony Fauci, disse que os estudos apoiam a ideia de que a cepa é mais transmissível.

"Agora, claramente, sua transmissibilidade parece ser maior do que o tipo selvagem", disse Fauci, acrescentando que a participação de 6% que a cepa tem agora nos EUA é semelhante a um ponto de inflexão visto anteriormente no Reino Unido.

"Esta é uma situação, como era na Inglaterra, onde eles tinham um B.1.1.7 dominante, e então o [B.1.] 617 assumiu. Não podemos permitir que isso aconteça nos Estados Unidos", disse Fauci.

É mais mortal?

As primeiras evidências sugerem que a variante Delta pode causar um risco aumentado de hospitalização em comparação com a cepa Alpha, de acordo com a Public Health England (PHE).

Embora a PHE tenha alertado que são necessários mais dados, suas primeiras descobertas mostraram que as pessoas infectadas com a variante tinham maior probabilidade de sofrer doenças graves.

Uma análise de 38.805 casos sequenciados na Inglaterra mostrou que as pessoas infectadas com a variante Delta apresentavam 2,61 vezes o risco de hospitalização em 14 dias em comparação com a variante Alfa, quando variáveis ??como idade, sexo, etnia e status de vacinação foram levadas em consideração, informou o PHE na semana passada.

Fauci reafirmou o motivo de preocupação, dizendo que a variante "pode ??estar associada a um aumento da gravidade da doença".

As vacinas funcionam contra isso?

Há evidências de que as vacinas contra Covid-19 existentes estão funcionando contra a variante Delta.

Uma equipe de pesquisadores da BioNTech e da University of Texas Medical Branch relataram quinta-feira (10) que encontraram evidências de que a vacina Pfizer/BioNtech protegeria contra a infecção com a variante Delta e outras.

Eles testaram o sangue de 20 voluntários totalmente vacinados contra versões projetadas em laboratório de várias variantes do vírus e encontraram evidências de que o sistema imunológico deve neutralizá-los.

Pesquisadores baseados no Reino Unido relataram na semana passada que a maioria das pessoas que recebem duas doses da vacina contra o coronavírus Pfizer / BioNTech ainda teriam proteção contra a nova variante, embora eles tenham dito que os anticorpos parecem ser significativamente reduzidos.

Hancock também disse que a pesquisa até agora sugere que "depois de duas doses da vacina, estamos confiantes de que você obterá a mesma proteção que obteve com a variante antiga".

As pessoas precisam ser totalmente vacinadas para estarem totalmente protegidas. Os pesquisadores do Francis Crick Institute (centro de pesquisa biomédica do Reino Unido), do National Institute for Health Research (agência financiadora de pesquisas no Reino Unido) e do UCLH Biomedical Research Center (centro de pesquisa da University College London) também disseram que, após uma dose da vacina, as pessoas tinham menos probabilidade de desenvolver uma resposta de anticorpos suficiente para proteger contra a variante Delta, em comparação com a variante anteriormente dominante.

Em um comunicado à imprensa que acompanha sua pesquisa, os cientistas disseram que suas descobertas sugerem que a melhor maneira de combater a nova variante é "administrar rapidamente uma segunda dose e fornecer reforços para aqueles cuja imunidade pode não ser alta o suficiente contra essas novas variantes."

Os primeiros dados publicados pela PHE mostraram resultados semelhantes para as vacinas AstraZeneca e Moderna. Eles também parecem ser eficazes contra a variante Delta, uma vez que ambas as doses foram administradas.

Quais países detectaram a variante?

A variante foi identificada em 74 países, em todos os continentes, exceto na Antártica, disse a OMS em sua última atualização epidemiológica semanal publicada na terça-feira (8).

Está se espalhando muito rápido - há um mês, a OMS disse que estava presente em pouco mais de 40 países.

Outras variantes também se espalharam pelo mundo rapidamente - incluindo novas variantes que não eram mais transmissíveis do que as linhagens estabelecidas. Os pesquisadores observam que às vezes uma cepa dominante é simplesmente a variante que acontece ao pegar uma onda de transmissão alimentada por viagens e aglomerações.

O que isso significa para roteiros globais fora do bloqueio?

O Reino Unido, onde a variante Delta é agora dominante, está fornecendo uma espécie de conto de advertência para o resto do mundo. Neil Ferguson, epidemiologista da University College London, disse na quarta-feira (9) que a variante pode levar a uma "terceira onda substancial" de infecções por Covid-19 no Reino Unido.

A rápida disseminação da variante Delta levou a França e vários outros países a colocarem novas restrições aos viajantes vindos do Reino Unido.

Já causou preocupação que o plano do governo do Reino Unido de suspender as restrições remanescentes ao coronavírus em 21 de junho possa piorar a disseminação. Hancock disse que o governo está monitorando os dados de perto para determinar seus próximos passos.

O surto na Índia também teve um impacto no fornecimento global de vacinas. A Índia é um dos principais fabricantes de vacinas, mas quando os casos começaram a aumentar, seu governo restringiu a exportação de vacinas contra Covid-19.

E quanto mais o vírus se espalha, mais chances ele tem de sofrer mutação e evoluir para novas variantes que poderiam resistir às vacinas atuais, ameaçando minar o progresso de outros países na contenção da pandemia.

Maggie Fox da CNN, Niamh Kennedy, Eleanor Pickston, Kara Fox, Robert Iddiols, Virginia Langmaid e Aditi Sangal contribuíram para esta reportagem.

Este texto é uma tradução; para ler a versão original em inglês, clique aqui.