Saúde assina intenção de compra de 60 milhões de doses da vacina CanSino

Imunizante desenvolvido por farmacêutica chinesa é administrado em dose única

Nohlan Hubertus, da CNN, Brasília
15 de junho de 2021 às 12:57 | Atualizado 16 de junho de 2021 às 09:36

 

O Ministério da Saúde assinou a intenção de compra de 60 milhões de doses da vacina CanSino. A CNN teve acesso ao documento, assinado no dia 4 desse mês.

O governo federal deve pagar 17 dólares por dose. Na conversão, são mais de R$ 5,2 bilhões por 60 milhões de doses. O imunizante é aplicado em dose única.

O acordo de intenção de compra, assinado pelo secretário em Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Arnaldo Medeiros, com a Belcher Farmacêutica do Brasil, representante da CanSino, prevê que a empresa entregue as doses no terceiro e no quarto trimestres deste ano.

A Belcher Farmacêutica entrou com pedido de uso emergencial junto à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) no dia 19 de maio. De acordo com a agência, o processo de análise ainda está em andamento. Porém, faltam documentos para que a Anvisa possa avaliar a segurança e a eficácia da vacina.

 

Segundo a Belcher Farmacêutica, a vacina da CanSino Biologics foi testada em 40 mil voluntários maiores de 18 anos em 5 países: Paquistão, Rússia, Chile, México e Argentina, onde já tem o uso emergencial autorizado.

Os estudos de fase 3 apontaram que depois de 28 dias da aplicação do imunizante  houve redução de 68.83% no número de casos sintomáticos da Covid-19, e 95,47% nos casos graves da doença. A vacina pode ficar armazenada em temperaturas entre 2 e 8 graus celsius.

A CNN entrou em contato com o Ministério da Saúde para pedir um posicionamento oficial sobre a negociação, mas a pasta ainda não se pronunciou.

Pesquisador trabalha em laboratório da fabricante de vacinas CanSino, em Tianjin, na China
Foto: Stringer - 20.nov.2018/Reuters