'Vacinação vem reduzindo casos graves, mas pandemia não acabou', diz pesquisador

À CNN, pesquisador da Fiocruz analisa que não é o momento para flexibilizações generalizadas e reforça a importância de medidas de proteção

Produzido por Isabelle Resende, da CNN, no Rio de Janeiro
11 de julho de 2021 às 13:50

 

A vacinação contra a Covid-19 está avançando neste segundo semestre no Brasil. Mais da metade da população já recebeu uma dose do imunizante, mas somente 19% dos brasileiros adultos já tiveram o esquema vacinal completo.

Especialistas veem com otimismo os efeitos de uma vacinação mais robusta, porém, em entrevista à CNN, o pesquisador da Fiocruz, Carlos Machado, sinalizou que, apesar de contribuir para a redução de casos graves da doença, a pandemia ainda é uma realidade incerta para o Brasil.

"A vacinação vem reduzindo o número de casos críticos e graves, mas a pandemia ainda não acabou, e os cuidados necessários devem ser mantidos. A gente pode flexibilizar algumas medidas? Podemos, mas não todas. O uso de máscara, a higienização das mãos e evitar aglomerações continuam como medidas extremamente importantes."

Machado comparou o momento da pandemia no Brasil com um avião prestes a pousar. "Se tudo correr bem, nós teremos um bom pouso, mas nós não sabemos o que pode acontecer entre este momento atual e o momento do pouso. O avião ainda pode ter que arremeter.”

Com isso, ele quis dizer com que, apesar de o contexto apontar para uma melhora no quadro geral da pandemia, o cenário poderá se reverter, se o Brasil não garantir a proteção das pessoas,  principalmente por conta da ação das novas variantes.

“Todas [as vacinas] têm efetivamente reduzido os casos críticos e graves. Essa é uma excelente notícia, mas ela não elimina a transmissão. Ao não eliminar a transmissão, se a gente flexibiliza de modo geral, há o risco de surgimento de novas variantes para as quais as vacinas podem não ser tão efetivas.”

O pesquisador da Fiocruz também relembra o período da pandemia em novembro de 2020, quando após atingir uma pequena melhora, a circulação de pessoas aumentou e os especialistas previram um possível recrudescimento.

"Nós já vínhamos alertando para o risco de aumento de casos que todos nós assistimos. Em dezembro, em janeiro e em fevereiro, cresceu muito [o número de casos] até a gente ter o colapso do sistema de saúde em março e abril." 

No entanto, de acordo com ele, o que muda agora é a ação da campanha de vacinação, que se tivesse começado em momento anterior, garantiria maior segurança a este momento.

"No ano passado, naquele período, nós não tínhamos as vacinas. A vacinação efetivamente vem produzindo resultados e são bastante animadores, o que significa que se nós tivéssemos começado a campanha de vacinação antes e tivéssemos as vacinas anteriormente, estaríamos em uma situação infinitamente melhor hoje. Inclusive, podendo avançar mais ainda nas medidas de flexibilização.”

Jovem transita pelo Saara sem máscara
Foto: André Melo Andrade/Immagini/Estadão Conteúdo