Estudo de 3ª dose busca ajudar governantes, diz pesquisadora de Oxford

“A importância do estudo é gerar evidências e dados científicos para que governantes possam tomar decisões baseadas em pesquisas," disse Sue Ann Costa Clemens

Produzido por Layane Serrano, da CNN São Paulo
19 de julho de 2021 às 16:16 | Atualizado 19 de julho de 2021 às 16:23

 A Agência Nacional de Vigilância Sanitária autorizou nesta segunda-feira (19) estudos clínicos com uma 3ª dose da vacina da AstraZeneca contra a Covid-19. Segundo uma das coordenadoras da pesquisa, Sue Ann Costa Clemens, professora da Universidade de Oxford, o estudo busca trazer dados para que governantes possam tomar decisões de saúde pública baseadas em evidências.

“A importância do estudo é gerar evidências e dados científicos para que governantes possam tomar decisões baseadas em pesquisas. Esse novo estudo é pioneiro, vamos oferecer uma 3ª dose após 12 meses da aplicação da 2ª dose. É a extensão do estudo de eficácia, iniciado há um ano,” disse Sue Ann.

 

A fala da pesquisadora rebate a ação de algumas cidades, como o Rio de Janeiro, que já têm um calendário de reforço vacinal para quem está com a imunização completa contra a Covid-19. Segundo Clemens, “não há necessidade” de se tomar uma nova dose da vacina contra a Covid-19 no momento.

A pesquisadora explicou que o novo estudo vai contar com a participação de 4 mil voluntários, que receberão a 3ª dose até outubro. O objetivo é que até o final do ano a pesquisa tenha resultados preliminares que possam ajudar os governantes a tomar decisões em relação à vacinação contra o novo coronavírus em 2022.

Doses de vacina Oxford/AstraZeneca, desenvolvida em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), chegaram a Curitiba (23.jan.2021)
Foto: CASSIANO ROSÁRIO/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO