À CNN, Governo de SP admite que intercâmbio de vacinas é o cenário ideal

Para Jean Gorinchteyn, Ministério da Saúde tomou decisão 'inadvertida' ao excluir Coronavac do calendário de dose adicional

Produzido por Juliana Alvesda CNN

Em São Paulo

Ouvir notícia

Pela primeira vez, o governo de São Paulo admitiu que o ideal seria aplicar uma vacina diferente para a terceira dose contra a Covid-19. Em entrevista à CNN nesta quinta-feira (2), o secretário estadual da Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, afirmou que a aplicação desse reforço poderá ser feita com um imunizante diferente do restante do esquema vacinal.

“Qualquer um dos imunizantes disponíveis e liberados pela Anvisa são capazes de promover esse reforço que chamamos tecnicamente de “booster vacinal”, ou seja, temos que nos valer de todo e qualquer imunizante”, disse o secretário o secretário estadual da Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, em entrevista à CNN.

“Se eu tomei vacina da Pfizer ou AstraZeneca, posso receber outras doses? Essa intercambialidade ocorrerá”, completou Gorinchteyn. “O que precisamos é fazer imunização de forma ágil para proteger essas pessoas, principalmente porque já temos no nosso território a variante Delta.”

“Se tivéssemos muito mais vacinas, e a segurança de ter mais vacinas, talvez a gente fizesse uma intercambialidade para todos os esquemas vacinais, não só de Coronavac, AstraZeneca, Pfizer. Mas nós temos hoje um repositório de vacinas ainda limitado”, completou o secretário.

Gorinchteyn criticou a exclusão da Coronavac para a dose reforço pelo Ministério da Saúde. Segundo ele, o estado usará a vacina fabricada pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac na terceira dose.

“Trabalhos feitos na China mostraram que a 3ª dose eleva em 77% a produção de anticorpos neutralizantes, portanto, é uma vacina boa e que deve estar inserida nessa vacinação. Por isso, o governo de São Paulo fará dessa maneira”, disse.

O Estado de São Paulo, de acordo com o secretário de Saúde, já tem 99,5% dos adultos acima de 18 anos que recebeu a primeira dose e 50% com a vacinação completa.

Dose adicional a partir do dia 6

A partir da próxima segunda-feira (6), a dose adicional da vacina começa a ser aplicada em pessoas com mais de 60 anos em todo o estado. A estratégia vacinal também imunizará pessoas imunossuprimidas com mais de 18 anos.

“Temos responsabilidade em prevenir formas graves e mortes. Por isso, São Paulo entende que idoso é todo aquele acima de 60 anos e, para que haja controle da pandemia, exatamente os vetores de transmissão, que são os jovens que saem, também têm que ser protegidos e imunizados”, afirmou Jean Gorinchteyn.

Fotos – vacinação no Brasil e no mundo

Mais Recentes da CNN