África do Sul vê crescimento de casos de Covid-19 em ritmo recorde

Autoridade de saúde pública do país disse à CNN que aumento é o mais rápido desde o início da pandemia

Variante Ômicron foi detectada por cientistas da África do Sul.
Variante Ômicron foi detectada por cientistas da África do Sul. Reuters

Sheena McKenzieBecky AndersonTim ListerDavid McKenzieda CNN

Ouvir notícia

Os casos de Covid-19 na África do Sul estão “crescendo rapidamente”, no que parece ser “o ritmo mais rápido que vimos desde o início da pandemia“, disse à CNN Michelle Groome, chefe do Instituto Nacional de Doenças Transmissíveis (NICD), o órgão de saúde pública do país, nesta quarta-feira (01).

Semanas depois da Ômicron ter sido detectada pela primeira vez, a variante já é dominante em algumas províncias, de acordo com as autoridades de saúde.

Na província de Gauteng – que inclui a grande cidade de Joanesburgo – a variante Ômicron correspondeu a 74% dos sequenciamentos genéticos, disse a Rede para Vigilância Genômica da África do Sul na quarta-feira.

A província teve o maior aumento nas infecções por Covid-19 no mês passado, e estudos estão em andamento para determinar a prevalência da Ômicron em outros distritos.

Os casos na África do Sul parecem estar aumentando, com cerca de 8.600 casos diários registrados na terça-feira. Na semana anterior, o patamar era de cerca de 1.300 casos, de acordo com os dados mais recentes do NICD.

Groome disse que o rápido aumento de casos é “preocupante”, acrescentando que os testes feitos na água do sistema de esgoto alertaram as autoridades relativamente cedo sobre infecções no distrito que inclui a cidade de Pretória.

“Duas semanas atrás, víamos números de casos e índices de testes positivos que eram as mais baixas desde o início da pandemia”, disse Groome.

Ela acrescentou que esses números “subiram rapidamente até hoje”, onde os cientistas estão observando “mais de 15%” das amostras como positivas para Covid-19.

Por enquanto, não está claro se o aumento nas infecções foi “devido ao aumento da transmissibilidade da variante Ômicron ou devido ao escape imunológico”, disse Groome.

Ela acrescentou que os casos ocorreram principalmente entre pessoas mais jovens, o que pode ser devido ao aumento das reuniões sociais com o fim das aulas, bem como às taxas de vacinação mais baixas nessa faixa etária.

Até agora, os médicos observaram “na maioria casos leves”, disse Groome, atribuindo isso a uma representação demográfica mais jovem.

À medida que os casos passam para a população mais velha, os médicos terão uma ideia melhor “se estamos vendo aumentos recíprocos nas hospitalizações e mortes associadas a isso, ou se esta é realmente uma doença mais branda”, disse Groome.

Mais Recentes da CNN