Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Anticorpos de Covid-19 estão presentes em 1 a cada 5 americanos que doam sangue

    Os anticorpos do coronavírus foram identificados em uma de cada cinco doações de sangue de pessoas não vacinadas, de acordo com dados da Cruz Vermelha americana

    Indivíduo fazendo doação de sangue
    Indivíduo fazendo doação de sangue Foto: Arquivo/Agência Brasil

    John Bonifield e Deidre McPhillips, da CNN

     Na primeira semana de março, mais de 20% das doações de sangue de pessoas não vacinadas tinham anticorpos contra a Covid-19, de acordo com dados compartilhados com a CNN pela Cruz Vermelha americana.

    Entre meados de junho de 2020 e o início de março de 2021, a Cruz Vermelha americana testou mais de 3,3 milhões de doações de pessoas não vacinadas em 44 estados para a presença de anticorpos Covid-19. No geral, cerca de 7,5% das doações testadas naquele período foram positivas para anticorpos, o que significa que os doadores provavelmente foram infectados com o coronavírus em algum momento.

    A Cruz Vermelha americana observa que “um resultado de teste de anticorpo positivo não confirma infecção ou imunidade”, mas pode indicar se uma pessoa foi exposta ao coronavírus, “independentemente de o indivíduo desenvolver sintomas”. A prevalência de anticorpos entre doadores de sangue não vacinados aumentou com o tempo, à medida que os casos aumentaram em todo o país.

    De acordo com dados compartilhados com a CNN por e-mail, cerca de 1,5% das doações testadas na primeira semana de julho foram positivas para anticorpos da Covid-19. Isso aumentou para quase 4% das doações testadas na primeira semana de outubro, cerca de 12% das doações testadas na primeira semana de janeiro e quase 21% das doações testadas na primeira semana de março.

    “Os doadores de sangue não são uma amostra aleatória da população em geral, mas são interessantes (para avaliar)”, disse William Schaffner, conselheiro de longa data em vacina dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA.

    Schaffner disse que há duas coisas que chamam a atenção.

    “A primeira é que uma parte substancial da população dos EUA teve contato com a Covid, pelo menos a população de doadores de sangue, consciente ou inconscientemente. A outra é que uma grande proporção da população dos EUA, não – são os 80%”, disse ele. “Portanto, não podemos confiar apenas na estratégia de imunidade coletiva e que ela ocorra naturalmente. Precisamos vacinar para que até 80% da população fique imune.”

    A imunidade do rebanho é a situação em que um número suficiente de pessoas está protegido contra uma doença e que, por isso, ela não pode se espalhar. Isso pode ser alcançado quando um número suficiente de indivíduos possui anticorpos contra o vírus.

    Pessoas que se recuperam do coronavírus têm alguma proteção contra o vírus, embora os cientistas ainda não saibam quanto tempo dura ou quão resistente é contra as variantes emergentes do coronavírus. Tomar uma vacina Covid-19 estimula o sistema imunológico a fornecer proteção artificialmente.

    “Ambos contribuem para a meta de 80%”, disse Schaffner.

    A porcentagem da população dos Estados Unidos que precisa ser vacinada para que o país alcance a imunidade coletiva permanece “um número vago”, disse Anthony Fauci, conselheiro médico chefe do presidente Joe Biden, em uma entrevista coletiva na Casa Branca, na segunda-feira.

    “Não devemos ficar tão focados nesse número pouco eloquente sobre a imunidade coletiva. Devemos apenas nos preocupar em vacinar o máximo de pessoas o mais rapidamente possível”, disse Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas.

    “Como a imunidade do rebanho ainda é um número um tanto evasivo, fizemos uma projeção do que provavelmente seria isso. Eu já disse muitas vezes, algo entre 70% e 85%, mas não temos certeza disso. Em vez de nos fixarmos nisso, por que não dizemos apenas para vacinar o máximo de pessoas o mais rápido possível?”, disse Fauci. “E a cada dia que passa, com mais de 2 milhões de doses aplicadas nas pessoas, estamos cada vez mais perto do controle dessa pandemia”.

    As últimas descobertas do teste de anticorpos da Cruz Vermelha americana entre doadores não vacinados refletem dados mais generalizados.

    De acordo com um relatório recente do Pew Research Center, um em cada quatro americanos afirmou ter tido Covid-19. Um em cada três adultos hispânicos afirmou ter tido o vírus e os adultos mais jovens têm maior probabilidade do que os adultos de dizer que tiveram o vírus. Os resultados sugerem que a pandemia atingiu a maioria dos americanos.

    Na pesquisa, 67% afirmam conhecer alguém que foi hospitalizado ou morreu com o vírus. Essa resposta ecoou na maioria em todos os grupos demográficos, observa o relatório.

    Houve cerca de 29,5 milhões de casos relatados de Covid-19 nos Estados Unidos, de acordo com dados da Johns Hopkins University, representando cerca de 9% da população. Mas os especialistas estimam que o número real de casos é muito maior, o que acompanha as descobertas da Cruz Vermelha americana.

    Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos estimam que havia mais de 83 milhões de casos até o final de dezembro, o que significa que mais de um quarto da população esteve infectada até o final de 2020.

    (Texto traduzido; Leia aqui a versão original em inglês)