Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Anvisa cobra mais informações e Fiocruz adia pedido emergencial de vacina

    Basília Rodriguesda CNN

    Não houve o pedido de uso emergencial da vacina contra o novo coronavírus na reunião que a Fiocruz teve com a Agência Nacional de Saúde (Anvisa), nesta segunda-feira (4). De acordo com relatos de quem participou da reunião, faltam muitas informações e haverá um novo encontro nesta terça-feira (5).

    Como as primeiras vacinas da Fiocruz vão ser compradas de um laboratório na Índia, que produz a vacina de Oxford, a Anvisa quer saber se o imunizante reúne as mesmas características do originalmente produzido no Reino Unido. 

    Entre as informações, a Fiocruz deverá comprovar as boas práticas de fabricação na Índia e levar um estudo comparativo. “Ou seja, é necessário entender se o produto do fabricante indiano é semelhante ao fabricado no Reino Unido e que teve os dados clínicos aprovados”, afirmou a Anvisa em nota divulgada após a reunião.

    Leia também:

    Governo aposta em vacina de Oxford para uso emergencial

    Governo proíbe exportação de seringas e agulhas

    Covid-19: Homem de 82 anos recebe 1ª dose da vacina de Oxford no Reino Unido

    Fiocruz produzirá vacina em parceria com a Universidade de Oxford
    Fiocruz produzirá vacina em parceria com a Universidade de Oxford e o laboratório AstraZeneca
    Foto: Cadu Rolim/FotoArena/Estadão Conteúdo

    “Em termos mais técnicos, o objetivo desta avaliação é garantir a equivalência quanto à resposta da imunogenicidade, ou seja, a habilidade de a vacina ativar resposta ou reação imune, tais como o desenvolvimento de anticorpos específicos, respostas de células T, reações alérgicas ou anafiláticas”, complementa a Anvisa.

    A agência rechaça a possibilidade de fazer algum tipo de retrabalho durante a análise, o que atrasaria todo o processo. Dessa forma, vai aproveitar o que for possível da avaliação de outras agências de referência, e afirma que irá focar em questões que sejam específicas para o Brasil.

    Intervalo entre doses 

    Se o uso da vacina for autorizado, cada pessoa precisará tomar duas doses. Ainda não está definido o intervalo de tempo que será adotado entre uma dose e outra.

    Técnicos do Ministério da Saúde afirmaram à CNN, nesta segunda-feira, que o intervalo poderá ser de três meses, mas este prazo ainda está em estudo.

    Destaques do CNN Brasil Business:

    Mapa do Emprego: Veja quais os setores em alta e como ficam os salários em 2021

    Inovação: Quais empresas podem ser os ‘unicórnios’ brasileiros em 2021

    Vale, Ambev: 10 ações recomendadas por corretoras para investir em janeiro

    A primeira dose da vacina de Oxford tem 70% de eficácia e a segunda alcança até 90%.

    Pelo cronograma de vacinação previsto até aqui, os primeiros a serem imunizados serão profissionais de saúde que atuem na linha de frente, população indígena e idosos com mais de 75 anos, ou aqueles com mais de 60 que vivam em casas de repouso.