Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Anvisa diz ainda não ter recebido dados de eficácia da vacina da Pfizer

    Segundo a agência, apenas as candidatas de Oxford e do Butantan entregaram os dados pré-clínicos no processo de submissão contínua

    Anna Satie, da CNN em São Paulo



     

    A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) comunicou nesta segunda-feira (9) ainda não ter recebido os dados de segurança e eficácia da possível vacina contra Covid-19 da Pfizer. 

    Mais cedo, a farmacêutica anunciou que o imunizante em desenvolvimento obteve 90% de eficácia nos voluntários.

    Leia também:

    Pfizer afirma que vacina contra Covid-19 tem 90% de eficácia

    BioNTech espera que efeito da vacina contra Covid-19 dure ao menos um ano

    ‘Todas as apostas necessárias serão feitas’, diz Saúde sobre vacina da Pfizer

    Frasco de potencial vacina contra Covid-19
    Frasco de potencial vacina contra Covid-19
    Foto: Dado Ruvic/Reuters (3.nov.2020)

    “Apesar das notícias promissoras divulgadas por laboratórios farmacêuticos em busca de uma imunização eficiente contra a Covid-19, não existe, até o momento, dados submetidos à Anvisa para a avaliação da eficácia e segurança destes produtos”, disse a agência em nota. 

    “Não é possível antecipar posições sobre a eficácia e segurança das vacinas antes que as pesquisas sejam concluídas e os dados analisados”, continua.

    De acordo com o órgão, das quatro vacinas contra a doença em desenvolvimento no país, só as de Oxford e a do Butantan entregaram os dados pré-clínicos na submissão contínua da Anvisa. Esse é um processo novo, diz a entidade, que permite que os laboratórios entreguem dados preliminares para análise enquanto continuam as fases de pesquisa. 

    A Anvisa disse ainda que não há pedidos de registro ou outras solicitações de pesquisa no Brasil, até o momento. 

    O país participa de testes clínicos para quatro potenciais imunizantes: o de Oxford, desenvolvido em conjunto com a Astrazeneca e a Fiocruz; a Coronavac, da Sinovac com o Instituto Butantan; essa da Pfizer em conjunto com a BioNTech; e a da Johnson & Johnson’s. 

    Nesta tarde, um porta-voz da Pfizer no Brasil disse que o governo brasileiro está em negociação com a empresa para adquirir doses da vacina. Ela seria incluída no Programa Nacional de Imunizações.

    (*Com informações de Natália André, da CNN em Brasília)