Anvisa faz reunião com Janssen para discutir dose de reforço de vacina antiCovid

Laboratório ainda não tem dados conclusivos que confirmem necessidade de reforço da vacina de dose única  

Doses da vacina da Janssen
Doses da vacina da Janssen dpa/picture alliance via Getty I

Camila Neumamda CNN

São Paulo

Ouvir notícia

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) realizou, nesta sexta-feira (27), uma reunião com o laboratório Janssen-Cilag para discutir informações sobre a necessidade ou não de uma dose de reforço da vacina contra Covid-19 da farmacêutica, a única de dose única disponível no Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde.

Até o momento, não há dados conclusivos sobre necessidade de dose de reforço da vacina da Janssen, nem sobre o seu uso como dose de reforço para pessoas que tomaram outras vacinas, informou a Anvisa após a reunião.

Diante disso, a Anvisa solicitou informações contínuas sobre o desenvolvimento e o andamento dos estudos mais recentes feitos pela Janssen e pediu que eles sejam informados à agência à medida que mais estudos forem concluídos.

A agência também solicitou dados de outras publicações que possam contribuir para a avaliação sobre a necessidade de uma dose de reforço da vacina.

No encontro, ficou acordado que a Anvisa e a Janssen terão uma agenda permanente para acompanhar os dados que estão sendo levantados sobre uma possível dose de reforço.

Aumento de anticorpos

Nesta semana, um comunicado da própria Johnson & Johnson, proprietária da Janssen-Cilag, informou que uma segunda dose da vacina de dose única da Johnson & Johnson resultou em níveis de anticorpos nove vezes maiores do que os registrados 28 dias após as pessoas receberem sua primeira dose.

O resumo do estudo está sendo submetido ao servidor de pré-publicação MedRxiv antes da revisão por pares. Os resultados foram divulgados antes dos resultados do grande ensaio de vacina de duas doses da Johnson & Johnson. Um porta-voz da empresa disse que os resultados estarão disponíveis nas próximas semanas.

Mais Recentes da CNN