Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Apagão na Saúde inviabiliza enfrentamento da Covid, comenta Gilmar Mendes

    “Restabelecimento deve ser prioridade” afirmou o ministro do STF em uma postagem nas redes sociais

    Gilmar Mendes, ministro do STF (Supremo Tribunal Federal)
    Gilmar Mendes, ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Foto: Divulgação/STF

    Fábio Munhozda CNN

    São Paulo

    Ouvir notícia

    O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), publicou em suas redes sociais na noite desta segunda-feira (10) uma mensagem na qual critica a falta de atualização dos números da Covid-19 nos bancos de dados do Ministério da Saúde. Na opinião dele, o apagão “inviabiliza o enfrentamento da pandemia”.

    Gilmar afirmou que “o restabelecimento dos sistemas de atualização dos boletins epidemiológicos deve ser tratado como prioridade”. “Há semanas os Estados e Municípios enfrentam dificuldades em informar os casos de contaminação e de internação”, acrescentou o ministro.

    Um dos principais boletins de monitoramento e vigilância no combate à pandemia da Covid-19 no país, o InfoGripe, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), está há um mês sem poder ser feito em consequência do apagão no sistema do Ministério da Saúde.

    O apagão teve início no dia 10 de dezembro, quando o ministério sofreu um ataque cibernético que comprometeu alguns sistemas, como o e-SUS Notifica, o Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunização (SI-PNI), o ConecteSUS e funcionalidades como a emissão do Certificado Nacional de Vacinação Covid-19 e da Carteira Nacional de Vacinação Digital, que ficaram temporariamente indisponíveis.

    Nesta segunda, a pasta disse que a integração entre os sistemas locais e a rede nacional de dados foi restabelecida na última sexta-feira e que, desde então, as informações inseridas pelos estados e municípios estão retornando gradualmente. Ainda segundo o ministério, a instabilidade nos sistemas não interferiu na vigilância de síndromes agudas respiratórias, incluindo a Covid-19.

    Mais Recentes da CNN