Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Após incêndio mortal, grandes protestos contra a Covid-19 se espalham pela China

    Política Covid Zero enfrenta críticas nos últimos meses, enquanto país apresenta recordes de casos

    Yew Lun Tianda CNN

    Protestos raros eclodiram na região de Xinjiang, no extremo Oeste da China, com multidões gritando com guardas em trajes de proteção depois que um incêndio mortal desencadeou raiva pelos bloqueios prolongados contra a Covid-19.

    Infecções em todo o país estabeleceram outro recorde na sexta-feira (25). A política Covid Zero da China enfrenta críticas nos últimos meses.

    Multidões gritavam “Fim do bloqueio!”, levantando os punhos no ar enquanto caminhavam por uma rua, de acordo com vídeos que circularam nas redes sociais chinesas na noite de sexta-feira. A Reuters verificou que a filmagem foi publicada na capital de Xinjiang, Urumqi.

    Imagens mostraram pessoas em uma praça cantando o hino nacional da China com sua letra: “Levante-se, aqueles que se recusam a ser escravos!”, enquanto outros gritavam que queriam ser libertados dos bloqueios.

    A China colocou a vasta região de Xinjiang sob alguns dos bloqueios mais longos do país, com muitos dos 4 milhões de residentes de Urumqi impedidos de deixar suas casas por até 100 dias. A cidade registrou cerca de 100 novos casos cada um dos últimos dois dias.

    Xinjiang é o lar de 10 milhões de uigures. Grupos de direitos humanos e governos ocidentais há muito acusam Pequim de abusos contra a minoria étnica majoritariamente muçulmana, incluindo trabalhos forçados em campos de concentração. A China rejeita veementemente tais alegações.

    Os protestos de Urumqi ocorreram após um incêndio em um prédio alto que matou 10 pessoas na noite de quinta-feira (24).

    As autoridades disseram que os moradores do prédio conseguiram descer as escadas, mas os vídeos dos esforços das equipes de emergência, compartilhados nas redes sociais chinesas, levaram muitos internautas a supor que os moradores não conseguiram escapar a tempo porque o prédio estava parcialmente fechado.

    Funcionários de Urumqi deram uma entrevista à imprensa abruptamente nas primeiras horas deste sábado (26), negando que as medidas da Covid-19 tenham dificultado a evacuação e o resgate, mas dizendo que investigariam mais a fundo. Um deles disse que os moradores poderiam ter escapado mais rápido se tivessem entendido melhor a segurança contra incêndios.

    “Culpe a vítima”

    Dali Yang, cientista político da Universidade de Chicago, disse que essa atitude de “culpar a vítima” deixa as pessoas mais furiosas. “A confiança do público vai afundar ainda mais”, disse ele à Reuters.

    Os usuários da plataforma Weibo da China descreveram o incidente como uma tragédia que surgiu da insistência da China em manter sua política de Covid zero e algo que pode acontecer a qualquer um. Alguns lamentaram suas semelhanças com a queda de um ônibus com vítimas de quarentena da Covid-19 em setembro.

    “Não há algo sobre o que possamos refletir para fazer algumas mudanças?”, disse um ensaio que se tornou viral no WeChat na sexta-feira, questionando a narrativa oficial sobre o incêndio no apartamento de Urumqi.

    Covid Zero

    A China defende a política de Covid zero do presidente Xi Jinping como salva-vidas e necessária para evitar a sobrecarga do sistema de saúde. As autoridades prometeram continuar com o plano, apesar da crescente resistência pública e seu crescente impacto na segunda maior economia do mundo.

    Embora o país tenha ajustado recentemente suas medidas, encurtando as quarentenas e adotando outras medidas específicas, isso, juntamente com o aumento de casos, causou confusão e incerteza generalizadas nas grandes cidades, incluindo Pequim, onde muitos moradores estão trancados em casa.

    A China registrou 34.909 casos locais diários, baixo para os padrões globais, mas o terceiro recorde consecutivo, com infecções se espalhando por várias cidades, levando a bloqueios generalizados e outras restrições ao movimento e aos negócios.

    Xangai, a cidade mais populosa e centro financeiro da China, reforçou os requisitos de teste no sábado para entrar em locais culturais como museus e bibliotecas, exigindo que as pessoas apresentem um teste negativo feito em 48 horas, abaixo das 72 horas anteriores.

    O Parque Chaoyang de Pequim, popular entre corredores e pessoas que fazem piqueniques, voltou a fechar depois de reabrir brevemente.

    (Edição de William Mallard)