Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Atraso em insumos faz Fiocruz adiar para março entrega de vacinas feitas no país

    Atraso em insumos faz Fiocruz adiar para março entrega de vacinas feitas no Brasil 

    Leandro Resende e Stéfano Salles, da CNN, no Rio de Janeiro

    Ouvir notícia

     

    A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) adiou a previsão de entrega das primeiras doses da vacina de Oxford/AstraZeneca, para combate à Covid-19, de fevereiro para março. O motivo do adiamento em um mês está relacionado ao atraso na chegada do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA), matéria-prima que vem da China. 

    A informação foi passada pela fundação nesta terça-feira (19), por meio de ofício com data da véspera, direcionado ao Ministério Público Federal (MPF), ao qual a CNN teve acesso. 

    No documento, com o assunto “Apurações instauradas no Ministério Público Federal para acompanhamento da estratégia de vacinação contra a Covid-19”, de um processo aberto em dezembro, a Fiocruz responde a esse e a outros seis questionamentos feitos pelo procurador da República Marcos Alencar Martins Friaça sobre as condições para disponibilização da vacina para o Plano Nacional de Imunização (PNI). 

    O dado sobre o adiamento, com previsão para março, está na resposta à terceira pergunta do ofício do MPF, enviado no dia 11, que indaga sobre a previsão de entrega ao Ministério da Saúde das primeiras doses do imunizante. O documento é assinado pelo diretor do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos, Maurício Zuma Medeiros. 

    “Estima-se que as primeiras doses da vacina sejam disponibilizadas ao Ministério da Saúde em início de março de 2021, partindo da premissa de que o produto final e o IFA apresentarão resultados de controle de qualidade satisfatórios, inclusive pelo INCQS. Importa mencionar que o período de testes, relativos ao controle de qualidade, está estimado em 17 dias, contados da finalização da respectiva etapa produtiva, acrescidos de mais dois dias de análise pelo INCQS”, diz a resposta, que faz alusão ao Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde. 

    Brasil produzirá vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford

    Brasil produzirá vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford

    Foto: Cadu Rolim/FotoArena/Estadão Conteúdo

    Nesta terça-feira, o analista Leandro Resende informou que o IFA está pronto para envio desde o dia 10 de dezembro, aguardando a licença para exportação por parte do governo chinês.

     O composto é formado por organismos vivos, um adenovírus, em quantidade suficiente para produzir 100 milhões de doses de vacina na Fiocruz, na Zona Norte do Rio. Adenovírus é um vetor viral que foi tratado em laboratório para gerar anticorpos no organismo humano sem qualquer tipo de risco. 

    Na véspera, em entrevista, a pesquisadora e pneumologista Margareth Dalcomo revelou que o contrato prevê que, caso o produto não seja entregue até o dia 25, a AstraZeneca forneça doses prontas para a Fiocruz. 

    Abaixo, configura as perguntas feitas pelo MPF e as respostas da Fiocruz:  

    1) que informe qual(is) a(s) data(s) prevista(s) para a chegada do IFA enviado pela empresa Astrazeneca em cumprimento ao Contrato de Encomenda Tecnológica para a produção das 100,4 milhões de doses da vacina Oxford/AstraZeneca. 

    R: A chegada do primeiro lote do IFA está prevista para o dia 23/01/2021, mas ainda aguardando confirmação, e, a partir desta data, serão entregues mais 30 (trinta) lotes, em intervalos de 2 semanas, resultando na quantidade suficiente para a produção de 100,4 milhões de doses da vacina acabada.

    2) que informe qual a data prevista para iniciar a operação de uma das linhas de envase para capacidade de produção de 15 milhões de doses da vacina Oxford/AstraZeneca por mês pela Fiocruz, bem como qual a data prevista para iniciar a segunda linha de envase para aumentar a capacidade de produção dessa fundação para 40 milhões de doses de vacina Oxford/AstraZeneca ao mês, conforme mencionado no referido ofício. 

    R: Informamos que a primeira linha de envase está disponível e pronta para iniciar as operações assim que o IFA for entregue. No que diz respeito à segunda linha de envase, o início da operação está previsto para o mês de março de 2021.

    3) que informe qual a previsão para entrega ao Ministério da Saúde das primeiras doses da vacina Oxford/AstraZeneca, objeto do Contrato de Encomenda Tecnológica, produzidas pela Fiocruz, para distribuição no PNI.

    R: Estima-se que as primeiras doses da vacina sejam disponibilizadas ao Ministério da Saúde em início de março de 2021, partindo da premissa de que o produto final e o IFA apresentarão resultados de controle de qualidade satisfatórios, inclusive pelo INCQS. Importa mencionar que o período de testes, relativos ao controle de qualidade, está estimado em 17 dias, contados da finalização da respectiva etapa produtiva, acrescidos de mais 2 dias de análise pelo INCQS.

    4) que informe se já foram iniciadas as tratativas para a celebração do Contrato de Transferência de Tecnologia, previsto para 90 dias após a assinatura o Contrato de Encomenda Tecnológica feito com a empresa AstraZeneca, indicando o estágio em que se encontra a  Negociação e a previsão de conclusão;

    R: Em razão de ajustes necessários de ordem técnica, a minuta do Contrato de Transferência de Tecnologia está sendo revisada pelas partes, havendo previsão de sua assinatura até meados de fevereiro.

    5) que informe qual a capacidade de produção de doses da vacina Oxford/AstraZeneca pela Fiocruz para o ano de 2021, além do quantitativo de 100,4 milhões doses que já é objeto inicial do Contrato de Encomenda Tecnológica, quer por processamento final da vacina utilizando IFA adquiridos a mais da referida empresa, quer por produção de IFA pela própria fundação após a transferência de tecnologia.

    R: Esclarecemos que Bio-Manguinhos está envidando esforços para alcançar a produção de 110 milhões de doses adicionais da vacina para o ano de 2021, além da quantidade já anunciada de 100,4 milhões de doses a ser produzida a partir da IFA importada e entregue no 1º semestre.

    6) que informe a data prevista para a chegada do quantitativo de 2 milhões de doses prontas da vacina Oxford/AstraZeneca adquiridas e importadas pela Fiocruz, além do quantitativo de 100,4 milhões doses que já é objeto inicial do Contrato de Encomenda Tecnológica, conforme noticiado nos meios de comunicação, bem como a data prevista para entrega ao Ministério da Saúde destas doses para distribuição no PNI.

    R: Inicialmente, cumpre esclarecer que o processo de aquisição de 2 milhões de doses, por importação, da vacina COVISHIELD, produzida pelo laboratório Serum Institute of India (SII), foi tombado sob o nº 25386.000016/2021-07, encontrando-se a despesa, relativa à aquisição dessas doses, devidamente empenhada, já tendo sido efetuado o respectivo pagamento do valor total ao fornecedor, conforme se verifica do processo SEI em referência. No presente momento, não é possível precisar a data de chegada das doses da vacina COVISHIELD aqui no Brasil. Isto porque, embora a carga contendo essas doses já esteja disponível, negociações diplomáticas, entre os governos da Índia e do Brasil, ainda se encontram pendentes de ajuste final para autorização do processo de envio para o Brasil. Por fim, destacamos que o Agente de Cargas já foi contratado e aguarda apenas autorização para a operacionalização do transporte para o Brasil.

    7) que informe se o pedido de autorização temporária de uso emergencial formulado pela Fiocruz junto à Anvisa em 08/01 último diz respeito ao quantitativo de 2 milhões de doses prontas da vacina Oxford/AstraZeneca adquiridas e importadas pela Fiocruz, ou ao quantitativo de 100,4 milhões doses da referida vacina que é objeto do Contrato de Encomenda Tecnológica, ou a ambos, esclarecendo ainda as medidas que serão adotadas caso este pedido de autorização emergencial não inclua todo o quantitativo de importação e também de produção com base no Contrato de Encomenda Tecnológica, planejado pela Fiocruz.

    R: O pedido de autorização temporária de uso emergencial  diz respeito ao quantitativo de 2 milhões de doses prontas que serão fornecidas pelo laboratório Serum Institute of India (SII). Já o pedido de registro provisório do quantitativo de 100,4 milhões de doses, objeto do Contrato ETEC, está sendo submetido à Anvisa pelo processo de submissão contínua, conforme estabelecido pela IN nº 77 de 17/11/2020, que irá regulamentar o artigo 49 da Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) nº 55/2010.

    Mais Recentes da CNN