Autoridades de SP culpam sigilo da China por falta de dados sobre a Coronavac

Butantan deixou de encaminhar seis itens que as autoridades federais consideram cruciais para a liberação do uso emergencial

Caio Junqueirada CNN

Ouvir notícia

 

Autoridades paulistas disseram a autoridades federais estarem impossibilitadas de fornecer todos os dados reivindicados pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) em razão de um acordo de confidencialidade firmado entre o Instituto Butantan e a farmacêutica chinesa Sinovac.

A situação gera um impasse para a liberação do uso emergencial da Coronavac, uma vez que um lado alega não poder, por contrato, repassar todas as informações, enquanto o outro diz que só libera após analisar esses dados. 

Leia também:

Governo Doria avalia que decisão do Supremo garante vacinação em SP até dia 25

Vacinação em SP começa dia 25/01; veja os horários de funcionamento dos postos

‘Eficácia da Coronavac deve ficar entre 63% e 68%’, diz ex-presidente da Anvisa

O Butantan deixou de encaminhar seis itens que as autoridades federais consideram cruciais para a liberação do uso emergencial. 

Um agravante é que a resolução para uso emergencial da Anvisa, elaborada em novembro, diz que os dados, após a liberação, devem se tornar públicos. A lista dos itens que o Butantan precisaria enviar também está nessa norma da agência de novembro. 

Um dos itens essenciais que faltaram é o chamado “Dados de eficácia e de segurança de análises de subgrupos por status de infecção prévia e por faixas etárias”, que compõe o capítulo 13 do dossiê entregue na Anvisa.

Destaques do CNN Brasil Business:

Varejo pós-auxílio emergencial: podemos esperar pelo pior?

CES 2021: Maior feira de tecnologia tenta mostrar que pode dar show na internet

DPVAT: Saiba por que o seguro não será cobrado neste ano

Em menor grau, há dados faltantes também da Fiocruz. Em razão disso, as autoridades responsáveis pela liberação já avaliam que o uso emergencial de ambas não deve ser liberado nesta semana. 

Diante da pressão de Brasília e de São Paulo, fazem comparações. O uso emergencial da vacina da Pfizer, por exemplo, demorou 21 dias para ser liberado nos Estados Unidos, dois meses no Canadá e nove dias no Reino Unido.

Mais Recentes da CNN