Bolsonaro teve Covid-19 mesmo com uso profilático de cloroquina, diz médico

Sergio Cimerman, da Sociedade Brasileira de Infectologia, reiterou que não existe estudo publicado que comprove a eficácia do medicamento

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Após o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciar que contraiu o novo coronavírus e que está se tratando com a cloroquina, o infectologista Sergio Cimerman, coordenador científico da Sociedade Brasileira de Infectologia, relembrou que o presidente deu declarações de que tomava o medicamento de maneira profilática, e que a notícia de que testou positivo para a Covid-19 é um sinal negativo para a prática.

“Bolsonaro disse frequentemente que fazia profilaxia com a cloroquina. Se ele fazia isso e desenvolveu a Covid-19, isso é evidência que o medicamento não protege. As pessoas estão tentando achar uma cura milagrosa para se encobrir os problemas que o coronavírus traz.”

Cimerman relembra que ainda não há estudos publicados que comprovem a eficácia do uso da cloroquina ou hidroxicloroquina em pacientes com a Covid-19 e diz que casos leves da doença tem tendência de se recuperar naturalmente como uma virose comum.

Leia também:

Com diagnóstico de Bolsonaro, cloroquina ficará ainda mais polarizada, diz Teich

Visão Responde: infectologista tira dúvidas sobre contágio da Covid-19

Bruno Covas: índices de Covid-19 em São Paulo permitem reabrir outros espaços

“Existem vários trabalhos que mostram que não há evidência de que o paciente irá melhorar com o medicamento. Em 80% dos casos leves, o paciente irá se curar naturalmente da Covid-19. A população precisa saber que até o presente momento não existe nada que comprove a eficácia do medicamento.”

Ele relembra que, em casos onde a eficácia não é comprovada, a tendência é que os efeitos colaterais dos medicamentos se manifestem, que no caso da cloroquina pode ser arritmia cardíaca. 

Apesar disso, ele reitera que brasileiros hoje podem optar por usar o medicamento em decisão conjunta com o médico, mas que a Sociedade Brasileira de Infectologia não indica o uso do medicamento. “Uma sociedade médica nunca vai pautar algo sem evidência científica”, afirma o médico.

 

Mais Recentes da CNN