Brasil não está preparado para possível nova onda da Covid-19, diz imunologista

Em entrevista à CNN, o pesquisador da USP Gustavo Cabral de Miranda falou sobre o aumento de casos e a proliferação da variante Ômicron

Pesquisador teme consequências de uma nova onda de casos
Pesquisador teme consequências de uma nova onda de casos Geovana Albuquerque/Secretaria de Saúde/Divulgação

Cleber SouzaProduzido por Ludmila Candalda CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

Em entrevista à CNN nesta sexta-feira (31), o imunologista e pesquisador da Universidade de São Paulo (USP) Gustavo Cabral de Miranda falou sobre o aumento de casos da Covid-19 e a proliferação da variante Ômicron, principalmente durante as festas de fim de ano. Ele teme uma nova onda da doença no país.

“O Brasil não tem estrutura para uma possível nova onda da Covid-19. Temos essa variante propagando como nós nunca vimos antes. Vemos um desrespeito para com o próximo durante essa pandemia. Não há preparo psicológico, econômico e como sociedade.”

Para ele, a pandemia estará próxima do fim quando todos, população e governo, estiverem contribuindo da forma adequada, se vacinando e seguindo os protocolos de prevenção à saúde. “Precisamos de uma participação social para não espalharmos ainda mais essa nova variante.”

O imunologista também disse que a gripe causada pelo vírus H3N2 e a Covid-19 podem levar o sistema de saúde a um colapso. “Todos precisam cooperar. Não podemos perder o que conquistamos ao longo da pandemia. Precisamos exigir mais das nossas lideranças.”

Casos de Covid crescem 134,2% no Brasil

Levantamento realizado pela Agência CNN com base nos números divulgados pelo Ministério da Saúde mostra um crescimento de 134,2% no número de contaminações por coronavírus no intervalo de 7 dias, de 24 a 30 de dezembro, em comparação com os dados dos dias 17 a 23 do mesmo mês.

Segundo a análise, foram relatados 50.666 casos entre 24 e 30 de dezembro. De 17 a 23, o registrou apontou 21.632. A média de casos diários no período de 24 a 30 foi de 7.238. De 17 a 23, a média móvel ficou e 3.090.

Em contrapartida, apesar do crescimento nos números de contaminação, houve queda de 9,2% no número de mortes por coronavírus no mesmo período. De 24 a 30 de dezembro, foram contabilizadas 756 mortes, com média móvel de 108. Entre os dias 17 e 23, foram 833 mortes, com média móvel de 119.

Veja os número da Covid-19 no estado de São Paulo em dezembro:

 

Mais Recentes da CNN