Brasil pode ter ‘sobra’ de 300 milhões de doses contra a Covid-19 no fim do ano

Quantidade a mais do que o necessário pode ocorrer caso seja cumprida a promessa de entrega das 632,5 milhões de doses contratadas pelo Ministério da Saúde

Raquel Landimda CNN

Ouvir notícia

O Brasil pode ter uma “sobra” de 300 milhões de doses contra a Covid-19 no fim do ano, caso seja cumprida a promessa de entrega das 632,5 milhões de doses contratadas pelo Ministério da Saúde.

O país aplicou até este sábado (3) um total 104 milhões de doses do imunizante: 71,9 milhões foram utilizadas como primeira dose, outras 24,4 milhões correspondem à segunda dose (que engloba AstraZeneca, Coronavac e Pfizer) e menos de 800 mil pessoas tomaram a vacina da Janssen, que é aplicada em dose única.

Para vacinar toda a população acima de 18 anos, são necessários, pelo menos, três vezes mais do que já foi aplicado até o momento. Só que, de acordo com o IBGE, há 160 milhões de brasileiros acima de 18 anos – ou seja, o país precisa de aproximadamente 330 milhões de doses para imunizar toda a população adulta.

Vacina da Pfizer é preparada para uso por profissional da Saúde no Distrito Fede
Vacina da Pfizer é preparada para uso por profissional da Saúde no Distrito Federal
Foto: Tony Winston – 10.mai.2021/Ministério da Saúde

Se os laboratórios cumprirem os prazos acordados com o Ministério da Saúde, em dezembro sobrarão mais de 300 milhões de doses — 302,5 milhões de doses. Até lá, talvez seja preciso vacinar os adolescentes entre 12 e 18 anos, provavelmente dar uma dose de reforço a idosos e profissionais de saúde ou guardar para 2022.

Enquanto isso, o Brasil segue como segundo país no mundo em número de mortes, atrás apenas dos Estados Unidos, segundo a Universidade John Hopkins. 

Já em número de contaminações, o Brasil ocupa a terceira colocação no ranking mundial, atrás dos Estados Unidos e a Índia. 

Em âmbito nacional, seis estados brasileiros já ultrapassaram a marca de 1 milhão de contaminações: São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná, Bahia e Santa Catarina.

Mais Recentes da CNN