Brasil registra 1.347 mortes e 30.624 novos casos de Covid-19 em 24 horas

País soma 13.973.695 casos e 374.682 óbitos causados pelo novo coronavírus desde o início da pandemia

Anna Gabriela Costa, da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

 O Brasil registrou, nesta segunda-feira (19), 1.347 mortes e 30.624 novos casos de contaminação por Covid-19, segundo balanço divulgado pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass). 

Com a atualização dos dados, o país soma 13.973.695 casos e 374.682 vítimas do novo coronavírus desde o início da pandemia no Brasil, em março de 2020. 

São Paulo ainda é o estado brasileiro que lidera no número de mortes e contaminados pela doença, são mais de 88.528 óbitos registrados nos últimos meses. 

Em seguida, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná e Bahia entram, respectivamente, na lista de estados brasileiros mais afetados pela pandemia do novo coronavírus. Todos com registro de mais de 860 mil casos da doença. 

Leitos de UTI no Hospital Ronaldo Gazzola, na zona norte do Rio de Janeiro
Leitos de UTI no Hospital Ronaldo Gazzola, na zona norte do Rio de Janeiro, durante pandemia da Covid-19
Foto: Wilton Júnior/Estadão Conteúdo (10.mar.2021)

 

Vacinas

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) informou à CNN que até a próxima sexta-feira (23), serão entregues 4,7 milhões de novas doses ao Ministério da Saúde. As remessas da semana começam a ser enviadas a partir desta quarta-feira (21). 

Em maio, a instituição começa a implementar mais um turno de produção de vacina na segunda linha de produção do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (BioManguinhos/Fiocruz). Com isso, a capacidade de fabricação diária do imunizante vai aumentar 33%, passando das atuais 900 mil doses para 1,2 milhão. 

Sputnik

A vacina Sputnikv V tem eficácia de 97,6% contra o novo coronavírus, afirmou nesta segunda-feira (19) o Instituto Gamaleya, que desenvolveu o imunizante russo. Ainda conforme o instituto, os dados serão revisados por outros cientistas e publicados em uma revista médica em maio.

De acordo com a farmacêutica russa, os dados de eficácia têm como base a análise da taxa de infecção entre os 3,8 milhões de vacinados com duas doses na Rússia entre 5 de dezembro e 31 de março.

Novo estudo clínico

A Anvisa autorizou o estudo clínico de mais uma vacina contra o novo coronavírus no país. O imunizante, desenvolvido pela empresa Sichuan Clover Biopharmaceuticals, sediada na China, é aplicado em duas doses com intervalo de 22 dias entre elas.

A informação da autorização para testes foi divulgada nesta segunda-feira (19). “O ensaio clínico aprovado é de fase 2/3 (CLO-SCB-2019-003), duplo-cego, randomizado, controlado por placebo, para avaliar a eficácia, imunogenicidade e segurança da vacina recombinante da subunidade da proteína S”, disse a Anvisa, em seu site.

No Brasil, planeja-se incluir 12.100 voluntários, distribuídos entre Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte e Rio de Janeiro.

Profissional de saúde prepara dose de vacina contra o coronavírus
Profissional de saúde prepara dose de vacina contra o coronavírus
Foto: Alexandre Silva/FotoArena/Estadão Conteúdo

Tópicos

Mais Recentes da CNN