Brasil tem 159 mortes e 4.579 casos confirmados de coronavírus

Boletim foi divulgado pelo Ministério da Saúde nesta segunda-feira (30)

Boletim epidemiológico do Ministério da Saúde
Boletim epidemiológico do Ministério da Saúde Foto: Fabio Rodrigues Pozzobom/Agência Brasil

Guilherme Venaglia

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

O Ministério da Saúde divulgou nesta segunda-feira (30) o novo boletim atualizando o panorama dos casos do novo coronavírus. Segundo o governo federal, o país tem 159 mortes por COVID-19 e 4.579 casos registrados.

Em comparação com o boletim deste domingo (29), o Brasil registrou 23 novas mortes e 323 novos casos confirmados. É o quarto dia de queda no número oficial de casos registrados desde o recorde da sexta-feira (27), quando o país reportou 502 casos totais.

O estado com o maior número de casos é São Paulo, com 1.451 casos confirmados. Na sequência, vêm Rio de Janeiro, com 600, e Ceará, com 372. O Distrito Federal registra 312 casos; Minas Gerais, 231 casos; e Rio Grande do Sul, 226 casos.

Assista e leia também:

Como são os bastidores do tratamento de coronavírus em um hospital de SP

Dinheiro transmite coronavírus? Infectologista responde dúvidas

Distanciamento social reduz taxa de contágio por coronavírus em SP, diz pesquisa

Na distribuição por região, a maior parte dos casos confirmados (2.507, 55% do total) estão no Sudeste. São 790 casos (17%) no Nordeste, 593 casos (13%) no Sul, 435 casos (9%) no Centro-Oeste e 254 (6%) no Norte. 

Questionado sobre o aumento na proporção de mortes em relação ao número de casos, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM), afirmou que “os óbitos são mais fáceis de serem comprovados”, uma vez que o Brasil ainda apresenta uma carência grande no número de testes à disposição, o que dificulta a compreensão de quantos casos de fato há no país.

Boletim Ministério da Saúde - 30/03
Boletim Ministério da Saúde – 30/03
Foto: Divulgação/Ministério da Saúde

Mandetta afirmou que é cedo para fazer quaisquer análises sobre qual é o grau real de letalidade da doença, uma vez que a COVID-19 ainda é uma doença nova e que está se apresentando de formas muito diferentes em diversos países. Ele ponderou que o mais importante é o que já se sabe sobre as necessidades de tratamento e preparação do sistema de saúde.

De acordo com os dados do Ministério da Saúde, o número de internações com síndromes respiratórias nos primeiros três meses de 2020 foi 118% maior do que o mesmo período do ano passado. O governo registrou 757 casos de internações com síndromes respiratórias que foram causadas pela COVID-19.

Testes

O ministro da Saúde afirmou que chegaram ao Brasil na tarde desta segunda o primeiro carregamento de testes rápidos comprados a partir de doação da mineradora Vale. Nesta primeira etapa, são 500 mil testes. Segundo o governo, outros 40 mil produzidos pela Fiocruz também estarão disponíveis até esta terça-feira (1º).

Presente à entrevista coletiva, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, afirmou que está sendo planejada uma logística de distribuição para que os testes sejam divididos pelo país conforme a necessidade.

Mandetta afirmou que a crise atual chega a ser mais “dramática” do que as grandes guerras mundiais porque ela atingiu, na origem, a China, que é a maior produtora de insumos médicos no mundo. Mandetta pediu a todos que possuam máscaras do tipo N95 fechadas que façam, se puderem, uma doação ao sistema público de saúde.

Óbitos

O Ministério da Saúde já concluiu a análise técnica de perfil de 136 dos 159 casos confirmados. Dentro desse universo, segundo a pasta, 59,6% das vítimas fatais são homens e 40,4% são mulheres.

Ao todo, 90% (122) são pessoas com mais de 60 anos. Também foi verificado que 85% possuía ao menos uma doença considerada como fator de risco, com casos que registraram mais de uma, sendo cardiopatia (81 casos) e diabetes (58) as mais comuns.

Mais Recentes da CNN