Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Brasil tem mais de 40 mil órfãos de mãe pela Covid-19, diz estudo

    Especialistas defendem a adoção urgente de políticas públicas de proteção à infância com o objetivo de reduzir os impactos da pandemia de Covid-19 na vida de crianças e adolescentes brasileiros

    Lucas Rochada CNN

    em São Paulo

    Nos dois primeiros anos da pandemia, 40.830 crianças e adolescentes perderam suas mães por Covid-19 no Brasil.

    Os dados são de um estudo inédito realizado por pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Os achados foram divulgados pelo Observatório de Saúde na Infância (Observa Infância) e publicados no periódico Archives of Public Health, da Springer Nature.

    Nesse contexto, os especialistas defendem a adoção urgente de políticas públicas de proteção à infância com o objetivo de reduzir os impactos da pandemia de Covid-19 na vida de crianças e adolescentes brasileiros.

    “Considerando a crise sanitária e econômica instalada no país, com a volta da fome, o aumento da insegurança alimentar, o crescimento do desemprego, a intensificação da precarização do trabalho e a crescente fila para o ingresso nos programas sociais, é urgente a mobilização da sociedade para proteção da infância, com atenção prioritária a este grupo de 40.830 crianças e adolescentes que perderam suas mães em decorrência da Covid-19 nos dois primeiros anos da pandemia”, afirma o pesquisador da Fiocruz Cristiano Boccolini, coordenador do Observa Infância, em comunicado.

    “É certo que a morte de um dos pais, em particular da mãe, está ligada a desfechos adversos ao longo da vida e tem graves consequências para o bem-estar da família, afetando profundamente a estrutura e a dinâmica familiar”, afirma Celia Landmann Szwarcwald, pesquisadora do Laboratório de Informação e Saúde do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz), em comunicado.

    “As crianças órfãs são mais vulneráveis a problemas emocionais e comportamentais, o que exige programas de intervenção para atenuar as consequências psicológicas da orfandade”, completa a pesquisadora.

    O levantamento foi feito com base nos óbitos por Covid-19 registrados no Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) em 2020 e 2021 e nos dados do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc) entre 2003 e 2020.

    “A pesquisa mostra que a Covid-19 foi responsável por um terço de todas as mortes relacionadas a complicações no parto e no nascimento entre mulheres jovens, o que representa um aumento de 37% nas taxas de mortalidade materna no Brasil, em relação a 2019, quando ela já era alta. A cada mil bebês nascidos vivos, uma mãe morreu no Brasil durante os dois primeiros anos da pandemia”, diz Cristiano.

    O estudo também conta com a participação dos pesquisadores Celia Landmann Szwarcwald e Wanessa da Silva de Almeida, da Fiocruz, Adauto Martins Soares Filho e Deborah Carvalho Malta, da UFMG.

    Impactos da pandemia

    A Covid-19 foi responsável por um quinto de todas as mortes registradas no Brasil (19%) em 2020 e 2021, revela o estudo. O pico da pandemia ocorreu em março de 2021, com quase 4 mil mortes por dia, número superior à média de mortes por dia por todas as causas em 2019.

    “A faixa etária de 40 a 59 anos foi a que apresentou a maior proporção de vítimas da Covid-19, em comparação com a mortalidade por outras causas. Neste grupo, um a cada quatro brasileiros que morreram em 2020 e 2021 tiveram o óbito relacionado à Covid-19”, aponta Cristiano.

    A pesquisa calcula as taxas de mortalidade por Covid-19 de acordo com sexo, faixa etária e escolaridade. Até os 30 anos de idade, a taxa de mortalidade por Covid-19 é similar entre homens e mulheres, mas começa a se distanciar a partir desta faixa etária. No total, a taxa de mortalidade por Covid-19 entre homens foi 31% mais alta que entre mulheres.

    Para estimar o impacto da escolaridade na mortalidade por Covid-19, os pesquisadores utilizaram dados de óbitos pela doença e a distribuição da população brasileira por nível de escolaridade da Pesquisa Nacional de Saúde. Os resultados mostram que entre adultos analfabetos a mortalidade por Covid-19 foi três vezes maior que entre aqueles que concluíram o ensino superior.

    “Dada a história natural de diversas doenças, temos claro que a escolaridade, em conjunto com outras características socioeconômicas, é um importante fator para o prognóstico. Com a Covid-19 não é diferente. A desigualdade socioeconômica acarreta iniquidades no acesso aos serviços de saúde e, consequentemente, dificuldades no diagnóstico oportuno e no tratamento dos casos”, destaca Wanessa da Silva de Almeida, também da Fiocruz.

    De acordo com os pesquisadores, as diferenças nas taxas de mortalidade por nível educacional, com maior carga entre os indivíduos de menor escolaridade, refletem o impacto desigual da epidemia nas famílias brasileiras socialmente desfavorecidas. Nesse contexto, o impacto foi ainda maior entre as crianças e adolescentes que se tornaram órfãs e perderam um dos provedores do sustento da família.

    Os autores do estudo concordam que a demora na adoção das medidas de saúde pública necessárias para o controle da Covid-19 no Brasil agravou a disseminação da doença, resultando em perdas de vidas humanas que poderiam ter sido evitadas. “Como consequência da gestão inadequada da pandemia, além de criar uma legião de órfãos, o Brasil perdeu cerca de 19 anos de vida produtiva devido à morte de adultos jovens por Covid-19”, diz Cristiano.

    O estudo foi financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Fundação Bill e Melinda Gates e pela Fiocruz (Ideias Inovadoras).