Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Câncer tem atingido mais pessoas na faixa dos 30 e 40 anos; entenda

    Dia Mundial do Câncer, celebrado neste sábado (4), destaca importância da prevenção e do diagnóstico precoce da doença

    Número surpreendente de novos diagnósticos ocorre em pessoas com menos de 50 anos, de acordo com uma revisão de 2022 de pesquisas disponíveis por cientistas da Universidade de Harvard
    Número surpreendente de novos diagnósticos ocorre em pessoas com menos de 50 anos, de acordo com uma revisão de 2022 de pesquisas disponíveis por cientistas da Universidade de Harvard praetorianphoto/Getty Images

    Sandee LaMotteda CNN

    Este sábado (4) é o Dia Mundial do Câncer, e as perspectivas de vencer a guerra contra essa doença mortal são boas e ruins.

    Nos Estados Unidos, as mortes por câncer caíram 33% desde 1991, com uma estimativa de 3,8 milhões de vidas salvas, principalmente devido aos avanços na detecção e tratamento precoces. Ainda assim, 10 milhões de pessoas em todo o mundo perderam a vida devido ao câncer em 2020.

    “Durante os últimos três anos, a principal causa de morte número 1 no mundo foi, na verdade, o câncer, não a Covid-19”, disse Arif Kamal, diretor da American Cancer Society.

    Os sintomas do câncer podem ser parecidos com os de muitas outras doenças, por isso pode ser difícil diferenciá-los, dizem os especialistas. Os sinais incluem perda ou ganho de peso inexplicável, inchaço ou caroços na virilha, pescoço, região do estômago ou axilas e febre e suores noturnos, de acordo com o National Cancer Institute.

    Problemas neurológicos, na bexiga, intestino e pele podem ser sinais de câncer, como alterações na audição e visão, convulsões, dores de cabeça e sangramento ou hematomas sem motivo, disse o instituto. Mas a maioria dos cânceres não causa dor no início, então você não pode confiar nisso como um sinal.

    “Dizemos aos pacientes que, se tiverem sintomas que não melhorem após algumas semanas, devem consultar um médico”, disse Kamal. “Isso não significa que o diagnóstico será câncer, no entanto”.

    Casos aumentam em jovens

    Em vez de esperar pelos sintomas, a chave para manter o câncer sob controle é a prevenção, juntamente com exames para detectar a doença em seus estágios iniciais. Isso é crítico, dizem os especialistas, já que novos casos de câncer estão aumentando globalmente.

    Um número surpreendente de novos diagnósticos ocorre em pessoas com menos de 50 anos, de acordo com uma revisão de 2022 de pesquisas disponíveis por cientistas da Universidade de Harvard.

    Os casos de câncer de mama, cólon, esôfago, vesícula biliar, rim, fígado, pâncreas, próstata, estômago e tireoide têm aumentado em pessoas de 50, 40 e até 30 anos desde a década de 1990.

    Isso é incomum para uma doença que normalmente atinge pessoas com mais de 60 anos, disse Kamal. “O câncer é geralmente considerado uma condição relacionada à idade, porque você está se dando tempo suficiente para ter uma espécie de ‘erro’ genético”.

    Células mais velhas experimentam décadas de desgaste devido a toxinas ambientais e escolhas de estilo de vida menos favoráveis, tornando-as principais candidatas a uma mutação cancerígena.

    “Acreditamos que leva tempo para que isso ocorra, mas se alguém tem 35 anos quando desenvolve câncer, a pergunta é ‘O que poderia ter acontecido?'”, perguntou Kamal.

    Ninguém sabe exatamente, mas tabagismo, consumo de álcool, poluição do ar, obesidade, falta de atividade física e uma dieta com poucas frutas e vegetais são os principais fatores de risco para o câncer, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

    Adicione-os e você terá um potencial culpado pelo surgimento de cânceres precoces, disseram os pesquisadores de Harvard.

    “O aumento do consumo de alimentos altamente processados ou ocidentalizados, juntamente com mudanças no estilo de vida, meio ambiente … e outros fatores podem ter contribuído para essas mudanças nas exposições”, escreveram os pesquisadores em sua revisão de 2022.

    “Você não precisa de 65 anos comendo carne crocante, carbonizada ou processada como dieta principal, por exemplo”, acrescentou Kamal. “O que você precisa é de cerca de 20 anos, e então você começa a ver câncer de estômago e colorretal, mesmo em idades jovens”.

    Então, como você luta contra o “grande C”? Comece aos 20 anos, disse Kamal.

    Obtenha um histórico familiar

    Muitos dos cânceres mais comuns, incluindo mama, intestino, estômago e próstata, têm base genética – o que significa que, se um parente próximo foi diagnosticado, você pode ter herdado uma predisposição para desenvolver esse câncer também.

    É por isso que é fundamental conhecer o histórico de saúde de sua família. Kamal sugere que os jovens se sentem com seus avós e outros parentes próximos e perguntem sobre suas doenças – e depois escrevam sobre isso.

    “A pessoa média não conhece realmente o nível de minúcia que é útil para acessar o risco”, disse ele.

    “Quando falo com os pacientes, o que eles dizem é: ‘Ah, sim, a vovó teve câncer’. Há duas perguntas que gostaria de saber: com que idade o câncer foi diagnosticado e que tipo específico de câncer era? Preciso saber se ela teve câncer aos 30 ou 60 anos, porque isso determina seu nível de risco. Mas muitas vezes eles não sabem”.

    O mesmo se aplica ao tipo de câncer, disse Kamal.

    “As pessoas costumam dizer ‘a vovó teve câncer nos ossos’. Bem, mieloma múltiplo e osteossarcoma são cânceres ósseos, mas ambos são relativamente raros”, disse ele. “Então eu não acho que a vovó teve câncer nos ossos. Acho que a vovó teve outro câncer que atingiu os ossos, e eu preciso entender isso”.

    Em seguida, os médicos precisam saber o que aconteceu com aquele parente. O câncer era agressivo? Qual foi a resposta ao tratamento?

    “Se eu ouvir que mamãe ou vovó foi diagnosticada com câncer de mama aos 40 anos e faleceu aos 41, então sei que o câncer é muito agressivo e isso muda minha percepção de risco. Posso solicitar testes adicionais que não estão nas diretrizes para a sua idade”.

    As diretrizes de triagem de câncer são baseadas em avaliações em nível populacional, não no risco individual, disse Kamal. Portanto, se o câncer (ou outras condições, como doenças cardíacas, diabetes, doença de Alzheimer ou até mesmo enxaquecas) ocorre na família, você se torna um caso especial e precisa de um plano personalizado.

    “E direi que toda a comunidade científica está observando essa mudança de idade mais jovem para diferentes tipos de câncer e está se perguntando: ‘As diretrizes devem ser mais deliberadas e intencionais para as populações mais jovens para dar a elas alguns desses conselhos?'”

    Faça um rastreio

    Se o histórico familiar não tiver câncer, isso reduz o risco – mas não o elimina. Você pode diminuir a probabilidade de câncer a partir de uma dieta saudável baseada em vegetais, com a quantidade recomendada de exercícios e sono, limitando o consumo de álcool e não fumando ou vaporizando, dizem os especialistas.

    Proteger-se do sol e evitar o bronzeamento artificial também é fundamental, pois os raios ultravioleta nocivos danificam o DNA nas células da pele e são o principal fator de risco para o melanoma. No entanto, o câncer de pele pode aparecer mesmo onde o sol não atinge, disse Kamal.

    “Houve um aumento de melanoma que está aparecendo em áreas não expostas ao sol, como axilas, área genital e entre os dedos dos pés”, disse ele. “Portanto, é importante verificar – ou pedir a um parceiro ou dermatologista para verificar – todo o seu corpo uma vez por ano”.

    Verificação da pele: Tire todas as roupas e observe cuidadosamente toda a sua pele, incluindo as palmas das mãos, solas dos pés, entre os dedos e as nádegas e na área genital. Use o método A, B, C, D, E (leia em inglês) para analisar quaisquer pontos preocupantes e, em seguida, consulte um especialista se tiver dúvidas, aconselha a Academia Americana de Dermatologia.

    Consulte também um dermatologista se tiver coceira, sangramento ou ver uma verruga que se parece com um “patinho feio” e se destaca do resto das manchas em seu corpo.

    Vacine-se: duas vacinas protegem contra o câncer do colo do útero e do fígado, e outras para cânceres como o melanoma estão em desenvolvimento.

    A hepatite B é transmitida através do sangue e fluidos sexuais e pode causar câncer de fígado e cirrose, que é um fígado danificado e com lesões. Uma série de três vacinas, começando no nascimento, faz parte do calendário de vacinas infantis recomendado pelos EUA. Adultos não vacinados devem verificar com seu médico se são elegíveis.

    No Brasil, a vacina é indicada para pessoas de todas as faixas etárias. Segundo a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), faz parte da rotina de vacinação das crianças, devendo ser aplicada, de preferência, nas primeiras 12-24 horas após o nascimento, para prevenir hepatite crônica – forma que acomete 90% dos bebês contaminados ao nascer. É especialmente indicada para gestantes não vacinadas.

    A vacina contra o HPV protege contra várias cepas do papilomavírus humano, a infecção sexualmente transmissível mais comum, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA.

    A vacina foi incorporada de forma escalonada no Brasil ao Sistema Único de Saúde (SUS) a partir de 2014. A vacinação está disponível para qualquer pessoa de 9 a 14 anos de idade, independentemente do sexo.

    O HPV pode causar câncer do colo do útero, bem como câncer vaginal, anal e peniano. Também pode causar câncer na parte posterior da garganta, incluindo a língua e as amígdalas.

    “Esses cânceres de cabeça e pescoço relacionados ao HPV são mais agressivos do que os cânceres não relacionados ao HPV”, disse Kamal, “Portanto, meninos e meninas devem ser vacinados”.

    Desde a aprovação da vacina em 2006 nos EUA para adolescentes de 11 a 13 anos, as taxas de câncer cervical caíram 87%. Hoje, a vacina pode ser administrada até os 45 anos, disse o CDC.

    Exames de mama: O câncer de mama é o tipo de câncer mais comum diagnosticado em todo o mundo, de acordo com a OMS, seguido pelos cânceres de pulmão, colorretal, próstata, pele e estômago.

    Tanto homens quanto mulheres podem ter câncer de mama, portanto, homens com histórico familiar também devem estar cientes dos sintomas, dizem os especialistas. Os sinais incluem dor, vermelhidão ou irritação, ondulações, espessamento ou inchaço de qualquer parte da mama. Novos caroços, seja na mama ou na axila, qualquer puxão do mamilo e secreção mamilar que não seja o leite materno também são sintomas preocupantes, disse o CDC.

    De acordo com o Ministério da Saúde, o Instituto Nacional de Câncer e a Sociedade Brasileira de Mastologia, o autoexame das mamas não é mais uma técnica recomendada às mulheres para rastreamento do câncer de mama.

    O Ministério da Saúde recomenda a realização da mamografia como método de rastreamento para o câncer de mama, ou seja, exame de rotina, para mulheres sem sinais e sintomas na faixa etária de 50 a 69 anos, a cada dois anos.

    Exames e testes: Exames e vacinas podem salvar vidas, mas muitos tipos de câncer só podem ser detectados por meio de exames laboratoriais ou biópsias. A American Cancer Society tem uma lista de triagem recomendada por idade.

    Fazer isso em tempo hábil aumenta a chance de detecção e tratamento precoces, mas ainda é responsabilidade de cada pessoa conhecer seus fatores de risco, disse Kamal.

    “Lembre-se, as diretrizes são apenas para pessoas com risco médio”, disse ele. “A única maneira de alguém saber se as diretrizes se aplicam a ela é realmente entender sua história familiar”.

    (Texto traduzido e adaptado)

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original