Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Epidemia global de câncer entre pessoas com menos de 50 anos pode estar surgindo

    Episódios de câncer em adultos com menos de 50 anos são chamados de casos de início precoce; especialistas alertam que eles estão se tornando mais comuns

    Brenda Goodmanda CNN

    Iana dos Reis Nunes tinha 43 anos quando contou ao marido que sentia algo como uma bolha no abdômen quando estava deitada de lado. Uma ultrassonografia encontrou manchas em seu fígado, o que levou a exames de sangue e uma colonoscopia.

    “Havia um tumor do tamanho do seu punho, e ela não tinha dor e nenhum problema com os movimentos intestinais ou algo assim”, lembrou Brendan Higgins, seu marido, que trabalha como artista na cidade de Nova York.

    Quando os médicos o encontraram, o câncer de cólon de Iana havia se espalhado. Era o estágio 4, o que significa que havia atingido outras partes de seu corpo.

    A família foi surpreendida.

    “Ela teve um bebê 15 meses antes de seu diagnóstico, então ela fez um milhão de exames de sangue, você sabe, atendimento de médicos e ultrassonografias … e não havia indicação de nada, absolutamente nada”.

    Quando o câncer atinge um adulto com menos de 50 anos, os médicos chamam de caso de início precoce. Esses cânceres em idades mais jovens estão se tornando mais comuns.

    Uma nova revisão de registros de câncer de 44 países apontou que a incidência de câncer de início precoce está aumentando rapidamente para câncer colorretal e 13 outros tipos de câncer, muitos dos quais afetam o sistema digestivo, e esse aumento está acontecendo em muitos pacientes de países de média e alta rendas.

    Os autores da revisão afirmam que o aumento dos casos em adultos mais jovens acontece em parte por causa de testes mais sensíveis para alguns tipos de câncer, como o câncer de tireoide. Mas os testes não explicam completamente a tendência, diz o coautor Shuji Ogino, professor de patologia da Escola de Saúde Pública de Harvard T.H. Chan.

    Ogino diz que o aumento se deve a uma mistura insalubre de fatores de risco que provavelmente estão trabalhando juntos, alguns que são conhecidos e outros que precisam ser investigados.

    Ele observa que muitos desses riscos estabeleceram vínculos com o câncer, como obesidade, sedentarismo, diabetes, álcool, tabagismo, poluição ambiental e dietas ocidentais ricas em carne vermelha e açúcares adicionados, sem mencionar o trabalho por turnos e a falta de sono.

    “E também há muitos fatores de risco desconhecidos, como um poluente ou aditivos alimentares. Ninguém sabe”, disse ele.

    Ogino diz achar que o fato de tantos desses cânceres – oito dos 14 estudados – envolverem o sistema digestivo aponta para um grande papel da dieta e das bactérias que vivem em nosso intestino, chamadas de microbioma.

    “Eu acho que isso é realmente uma peça importante porque o que está apontando é a mudança nas prevalências de exposição em idades precoces, que estão produzindo cânceres de início precoce”, diz Elizabeth Platz, epidemiologista da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg, que também edita a revista Cancer Epidemiology, Biomarkers & Prevention, que não esteve envolvida na revisão.

    Pegue a obesidade. Uma vez, era raro. Não só se tornou mais comum ter um índice de massa corporal perigosamente alto, mas as pessoas estão se tornando obesas mais cedo na vida, mesmo na infância, então esses riscos de câncer estão aumentando décadas mais cedo do que nas gerações anteriores.

    Explosão de câncer colorretal em adultos mais jovens

    O aumento do câncer colorretal de início precoce – o câncer que Iana teve – foi particularmente acentuado.

    A revisão de Ogino indicou que, ao longo dos anos do estudo, a média anual de câncer colorretal em adultos jovens foi de cerca de 2% nos Estados Unidos, Austrália, Canadá, França e Japão. No Reino Unido, é quase 3% ao ano na Inglaterra, Escócia e País de Gales. Na Coreia e no Equador, é de aproximadamente 5% ao ano.

    “Não parece grande, mas você pode pensar na inflação: se for 2% ao ano, será uma grande mudança em 10 ou 20 anos, sabe?” disse Ogino. “Não é trivial.”

    Entre 1988 e 2015, esses aumentos anuais ampliaram as taxas de câncer colorretal precoce de quase 8 por cada 100.000 pessoas para quase 13 por 100.000 – um aumento de 63%, de acordo com outra revisão recente publicada no The New England Journal of Medicine.

    Estudos mostram que cerca de 1 em cada 10 cânceres colorretais nos EUA é diagnosticado em alguém entre 20 e 50 anos.

    Quanto mais jovem você for, maior o risco

    A revisão de Ogino identificou algo chamado efeito de coorte, o que significa que o risco de um câncer precoce aumentou para cada grupo sucessivo de pessoas nascidas mais tarde. Os nascidos na década de 1990 têm um risco maior de desenvolver um câncer de início precoce durante a vida do que os nascidos na década de 1980, por exemplo.

    Outras malignidades que aumentam em norte-americanos mais jovens incluem aquelas na mama, endométrio, vesícula biliar e ducto biliar, rim, pâncreas, tireoide, estômago e células plasmáticas no sangue – um câncer chamado mieloma.

    A médica Karen Knudson, diretora-executiva da American Cancer Society, chama a revisão de “um chamado às armas”.

    O câncer é um diagnóstico sério em qualquer idade, mas quando aparece em adultos mais jovens, os tumores são tipicamente mais agressivos e muitas vezes passam despercebidos por mais tempo porque a triagem de rotina do câncer não é recomendada para alguns dos tipos de câncer mais comuns, como como mama e próstata, até os 50 anos.

    “Não apenas esses tipos de câncer de início precoce são mais propensos a serem diagnosticados quando o tumor está em um estágio mais avançado, mas também em alguns dos relatórios que foram tabulados aqui associados a um pior resultado de sobrevida”, disse Karen.

    ‘Não é mais doença de idoso’

    Iana dos Reis Nunes iniciou o tratamento em 2017 nos centros de câncer Sloan Kettering e Mount Sinai, em Nova York.

    Seu marido se lembra dos médicos explicando que ela era uma entre um número crescente de pacientes mais jovens que eles estavam atendendo.

    “Lembro que era um ponto de discussão em ambos os hospitais que as pessoas com câncer de cólon estavam ficando cada vez mais jovens, cada vez mais, e eles não conseguiam explicar”, disse Higgins.

    Higgins diz que passou muito tempo em grupos de apoio online, procurando respostas e conforto.

    “E havia muitos jovens nesses grupos”, disse ele. “Não era repleto de pessoas em seus 50 e 60 anos. É mais como a faixa dos 30, 40, 50. Então eu estava muito consciente de que esta não era mais uma doença de uma pessoa idosa”, disse ele.

    De fato, a triagem de rotina – com colonoscopias e testes que verificam sangue nas fezes – reduziu os casos de câncer colorretal e o tornou menos fatal em adultos mais velhos, mesmo com o aumento dos casos em pessoas com menos de 50 anos.

    Karen diz que três coisas devem acontecer após críticas grandes e definitivas como esta. “Um é um apelo à pesquisa para que realmente entendamos algumas das tendências específicas que estamos vendo”, diz ela.

    Em segundo lugar, ela cobra mais consciência dos riscos, o que, esperamos, ajudará as pessoas a modificar seu comportamento para controlar os riscos possíveis.

    Terceiro, ela diz, os grupos que fazem recomendações para exames de câncer devem reavaliar quando esses exames devem começar. Pode ser que alguns devam começar em idades mais jovens.

    Na verdade, isso já está acontecendo.

    No ano passado, o aumento da incidência de câncer de cólon em adultos mais jovens levou a Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos EUA a reduzir a idade em que recomenda que os médicos comecem a rastrear pessoas para câncer de cólon para 45 anos.

    “Se você está indo para 45, você deve realmente pensar sobre isso e não esperar até 50 ou 55”, disse Higgins.

    Higgins disse que os primeiros 12 meses de tratamento contra o câncer de sua esposa foram quase milagrosos, “como reações notáveis ​​à quimioterapia”.

    “E então – eu li sobre isso na verdade – pode se desenrolar muito rapidamente”, disse ele. “E uma vez que começou a se desenvolver, foi ladeira abaixo extremamente rápido”.

    Sua esposa morreu em 2019, deixando para trás sua filha, Maeve, que ainda não tinha completado 4 anos, uma de 11 anos e outra de 20 anos.

    “Tivemos uma grande história de amor”, disse ele. “Eu ainda estou amargo. Ainda com raiva”.

    “A vida está bem. Todo mundo está bem. Mas eu estou tipo, no fundo, estou sofrendo que isso aconteceu com ela. Ela era uma pessoa muito boa”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original