Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Capital da Índia endurece restrições à medida que Ômicron causa aumento da Covid

    Na terça, Nova Délhi registrou 21.259 novos casos, de acordo com o governo do estado – quase 288% a mais do que o número divulgado na semana anterior, em 4 de janeiro

    Trabalhador da saúde aplica teste da Covid-19 na Índia, em 12 de janeiro de 2022
    Trabalhador da saúde aplica teste da Covid-19 na Índia, em 12 de janeiro de 2022 NurPhoto via Getty Images

    Swati Guptada CNN Nova Délhi

    O governo de Nova Délhi anunciou novas restrições nesta terça-feira (11), incluindo o fechamento de todos os escritórios particulares e a suspensão do uso presencial de restaurantes e bares, em meio a um aumento de casos da Covid-19 impulsionado pela variante Ômicron, altamente transmissível.

    Na terça, a capital indiana registrou 21.259 novos casos, de acordo com o governo do estado – quase 288% a mais do que o número divulgado na semana anterior, em 4 de janeiro.

    Foi observado que os números de casos de Covid-19, incluindo os da variante Ômicron, estão crescendo rapidamente nos últimos dias e a taxa de testes positivos passou dos 23%. Por esse motivo, sentiu-se a necessidade de acrescentar algumas restrições em Délhi para conter o espalhamento do coronavírus, incluindo a cepa altamente contagiosa e transmissível Ômicron.

    Governo de Nova Délhi, em ordem

     

    Nova Délhi continua impondo um toque de recolher aos finais de semana entre as 10 horas da noite e as 5 horas da manhã, durante o qual todos os estabelecimentos são fechados, menos os serviços essenciais. Escolas e faculdades estão fechadas até o próximo aviso.

    Enquanto isso, a capital financeira indiana, Mumbai, registrou uma queda em seus casos diários de Covid-19, com a cidade registrando 11.647 casos na terça-feira, uma queda de 19.474 casos em relação ao domingo (9).

    A Índia registrou um total de 194.720 novos casos na quarta-feira (12), levando o número completo de casos desde o início da pandemia a 36 milhões, de acordo com o Ministério da Saúde do país.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original