Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Casos de HIV caem entre jovens nos EUA, principalmente entre homens gays e bi, diz CDC

    Infecções caíram de cerca de 36,5 mil casos em 2017 para 32,1 mil em 2021, de acordo com dados dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC)

    Realização de teste de HIV em Los Angeles, nos Estados Unidos
    Realização de teste de HIV em Los Angeles, nos Estados Unidos Gina Ferazzi/Los Angeles Times via Getty Images

    Lucas Rochada CNN

    em São Paulo

    As novas infecções anuais por HIV nos Estados Unidos apresentaram uma queda de 12% em 2021 em comparação com 2017. Os índices caíram de cerca de 36,5 mil casos para 32,1 mil, de acordo com dados dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) do país.

    De acordo com o CDC, o declínio foi impulsionado por uma redução de 34% nas infecções entre jovens de 13 a 24 anos, principalmente entre homens gays e bissexuais. Segundo as últimas estimativas do CDC, as infecções anuais por HIV caíram de 9.300 em 2017 para 6.100 em 2021 nesta faixa etária. O declínio entre jovens gays e bissexuais impulsionou a tendência, caindo de cerca de 7.400 infecções para cerca de 4.900 durante o período.

    A diretora do CDC, Rochelle P. Walensky, avaliou que os esforços de prevenção do HIV continuam avançando. “Fatores de longa data, como desigualdades sistêmicas, marginalização social e econômica e segregação residencial, no entanto, estão entre o tratamento e a prevenção altamente eficazes do HIV e as pessoas que poderiam se beneficiar deles. Os esforços devem ser acelerados e fortalecidos para que o progresso chegue a todos os grupos de forma mais rápida e equitativa”, afirmou Rochelle em comunicado.

    Os dados sugerem que o alcance aprimorado dos testes de HIV, tratamento e profilaxia pré-exposição (PrEP) contribuíram para o progresso na prevenção entre jovens gays e bissexuais.

    A Profilaxia Pré-Exposição (PrEP) é indicada para pessoas que não vivem com o HIV. A utilização diária de uma combinação de dois medicamentos antirretrovirais (tenofovir + entricitabina), que apresentam composição similar aos utilizados no tratamento do vírus, reduz em mais de 90% as chances de uma pessoa se infectar quando exposta ao HIV (saiba mais aqui).

    “A diminuição da incidência de HIV entre os jovens, incluindo jovens gays e bissexuais, nos mostra o que é possível. Mas acabar com a epidemia de HIV e alcançar a equidade exige que este progresso seja expandido para todos”, afirmou Jonathan Mermin, diretor do Centro Nacional do CDC para HIV, Hepatite Viral, IST e Prevenção de Tuberculose, em comunicado.

    Cartaz no metrô de Nova York promove o uso de testes de HIV, medicamentos profiláticos e preservativos / Richard Levine/Corbis via Getty Images

    Diferenças entre grupos étnicos

    O CDC destaca que estratégias de prevenção como a PrEP e a adesão ao tratamento melhoraram, embora haja uma limitação dos ganhos entre negros, hispânicos e latinos.

    A queda nas infecções anuais entre os jovens gays e bissexuais apresentou diferenças entre os grupos raciais e étnicos. Os declínios foram menores entre os jovens negros, hispânicos e latinos gays e bissexuais do que entre os pares de idade e sexualidade brancos. Os dados sugerem que a prevenção e tratamento não alcançam a todos de maneira equitativa, o que reflete disparidades mais amplas que impedem a prevenção do HIV.

    Entre os principais indicadores de prevenção do HIV, a melhoria mais significativa se deu no uso da PrEP, segundo o CDC. Em 2021, cerca de 30% das 1,2 milhão de pessoas que poderiam se beneficiar da PrEP a receberam – em 2017 o índice esteve em 13%.

    Mais pessoas com HIV estavam cientes de seu status em 2021 do que em 2017, com um aumento de 86% para 87%. A parcela de pessoas com diagnóstico de HIV que tiveram supressão viral devido ao tratamento eficaz foi ligeiramente maior em 2021 do que em 2017, passando de 63% para 66%.

    “Pelo menos três pessoas nos EUA contraem HIV a cada hora – em um momento em que temos opções de prevenção e tratamento mais eficazes do que nunca”, disse Robyn Neblett Fanfair, diretor interino da Divisão de Prevenção ao HIV do CDC, em comunicado. “Essas ferramentas devem atingir profundamente as comunidades e ser entregues mais rapidamente para expandir o progresso de alguns grupos para todos os grupos”, conclui.