Cidade do Rio de Janeiro fecha postos de testagem de Covid-19 por baixa procura

Polos chegaram a realizar 107 mil testes diários. Atualmente, são feitos cerca de 10 mil exames com uma taxa de positividade para Covid-19 em 8%

Isabelle SalemePauline Almeidada CNN

no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

Até o fim de fevereiro, todos os 21 polos de testagem de Covid-19 da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro serão fechados, por causa da baixa procura. A rede pública municipal, que chegou a realizar 107 mil testes por dia, no pico de transmissão da doença, ocasionado pela variante Ômicron, faz, atualmente, uma média de 10 mil exames.

Além disso, a taxa de positividade para a doença, que chegou a cerca de 50%, está em 8%. “É o nosso menor índice desde a introdução da variante Ômicron. Com isso, o número de casos graves e solicitações de internações hospitalares estão chegando praticamente a zero internações por dia”, afirmou o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz.

A melhora no panorama epidemiológico do Rio também levou a prefeitura a reverter 400 leitos que destinados a infectados pelo vírus para o tratamento de outras doenças. Segundo o painel da Secretaria Municipal de Saúde, 187 pessoas estão internadas com Covid-19 na manhã desta terça-feira (15) em hospitais da rede. O índice já chegou a ser superior a 950.

“Isso mostra que o cenário epidemiológico é cada dia mais favorável. A nossa expectativa é que a variante Ômicron continue em queda nas próximas duas semanas. E os centros de testagem, todos, estão sendo gradativamente desmobilizados”, disse Soranz.

Apesar da melhora, o secretário mantém o apelo pela imunização. Segundo Soranz, 670 mil cariocas estão com a dose de reforço em atraso.

“A gente precisa vacinar em torno de 40 mil cariocas por dia com a dose de reforço pra gente manter esse equilíbrio. A preocupação da secretaria é que ao longo do tempo, depois da vacinação, ela vai perdendo proteção e a gente pode sofrer consequências até mesmo de uma variante que já passou pela cidade do Rio de Janeiro”, explicou o secretário.

Mais Recentes da CNN