Cidade do Rio se junta a Niterói e antecipa aplicação da dose de reforço contra Covid-19

Planejamento nacional era para a segunda quinzena de setembro

Profissional da saúde prepara vacina da AstraZeneca contra a Covid-19 para aplicação
Profissional da saúde prepara vacina da AstraZeneca contra a Covid-19 para aplicação Myke Sena/MS

Marcela MonteiroThayana Araújoda CNN

no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

A cidade do Rio de Janeiro planeja começar a aplicação da dose de reforço contra a covid-19 em idosos na próxima quarta-feira (1). A nova etapa vai ser destinada àquelas pessoas que estão em instituições de longa permanência, como asilos e abrigos.

De acordo com a prefeitura, o reforço será dado independentemente do imunizante utilizado nas primeiras doses. O importante é que o idoso tenha recebido a segunda aplicação há pelo menos seis meses.

No Estado do Rio, a capital fluminense segue, então, Niterói e se adianta ao planejamento nacional. Isso porque o Ministério da Saúde deu aval para a aplicação da terceira dose, mas programou para o dia 15 de setembro.

Em Niterói, região metropolitana do Rio, o processo começou na sexta-feira passada (27). Foram 69 pessoas imunizadas. Todas maiores de 60 anos que tinham recebido a segunda aplicação da vacina há pelo menos seis meses. Elas vivem nas quatro primeiras instituições de longa permanência para idosos escolhidas para a abertura do calendário da D3.

Durantes dez dias, os agentes de saúde visitarão quatro lares por dia para cobrir os 40 asilos existentes. Niterói é a primeira cidade do Estado do Rio de Janeiro a iniciar a aplicação da terceira dose da vacina contra a Covid-19 em idosos.

A expectativa é vacinar 1.200 pessoas. Em setembro a campanha deve ser ampliada e englobar, também, os demais idosos da cidade com o uso da vacina da Pfizer.

Maria Augusta do Vale, de 99 anos, foi uma das primeiras que receberam a terceira dose na Casa de Amparo Santo Antônio, no Vital Brazil. Emocionada, ela deixou um recado para quem ainda não se vacinou.

“Peço a vocês que tomem a vacina, não tenham medo. Essa é a nossa salvação para ficar por mais tempo aqui. Eu já tenho 99 anos e não tive nenhum problema em me vacinar, já estou na terceira. Eu sinto muito que ainda tenham pessoas que não tomaram nem a primeira dose”, disse Maria Augusta.

Mais Recentes da CNN