Cinco maneiras de ajudar os filhos adolescentes diante do fim de uma amizade

Fim das amizades de infância com a chegada do ensino médio é muito comum. Saiba como ajudar

Foto: Getty Images (Boogich)

Michelle Icard, CNN

Ouvir notícia

Outra pessoa não quer mais ser sua amiga. Pode parecer o fim do mundo para seu filho quando isso acontece, mas o fim das amizades de infância com a chegada do ensino médio é mais comum do que muitos pré-adolescentes ou pais imaginam.

A tristeza pela perda de uma conexão pode ser singularmente dolorosa, fazendo com que os filhos se afundem no sentimento de rejeição e os pais se preocupem, mas existem medidas que os pais podem tomar para aliviar essa parte muito natural, embora dolorosa, do crescimento.

Por que as amizades terminam com tanta frequência no ensino médio?

Em meu livro mais recente, “Quatorze palestras aos quatorze anos: as conversas essenciais que você deve ter com seu filho antes de começar o ensino médio” (em tradução livre), refiro-me ao início da adolescência como “o projeto de construção do ensino médio” porque é uma época em que as crianças começam a construir as três coisas que elas precisam para se tornarem adultas: um corpo adulto, um cérebro adulto e uma identidade adulta.

É essa peça da identidade que complica as amizades no início da adolescência. Por volta dos 11 anos, as crianças começam o trabalho necessário para descobrir quem são como indivíduos, além de seus pais. Isso exige que as crianças experimentem muitas coisas novas, e é por isso que as vemos experimentando novas roupas, estilos de cabelo, gosto musical e, sim, até amigos.

Para os pré-adolescentes, não é mais uma conclusão óbvia que eles continuarão amigos das mesmas crianças do bairro ou da escola primária. Descobrir quem eles são é um processo de tentativa e erro … e erro e erro. Os jovens muitas vezes mudam de ideia sobre o que – e quem – é uma boa opção para eles, antes de se estabelecerem em suas escolhas com qualquer certeza.

Embora fazer amigos possa parecer uma parte da vida que deveria ser natural e fácil, o ensino médio torna isso bastante difícil. Durante esta parte da vida, a mudança é constante, mas a maioria das crianças não está mudando ao mesmo tempo da mesma maneira. Corpos, cérebros e até habilidades sociais dos adolescentes se desenvolvem em ritmos muito diferentes.

Eu digo aos pais para imaginar as engrenagens em uma placa, todas girando em velocidades diferentes. Às vezes, duas engrenagens encontram uma encaixe e se conectam, mas na maioria das vezes, elas estão apenas batendo uma na outra.

Os pais de pré-adolescentes podem notar, por exemplo, seu filho do ensino médio se distanciando de um amigo que era muito próximo porque um ainda quer jogar jogos imaginários e o outro quer se concentrar nos mais recentes aplicativos de redes sociais ou videogames e programas de TV com conteúdo mais adulto. Eventualmente, as crianças param de mudar tanto e se estabelecem em relacionamentos confortáveis, mas isso leva tempo.

Enquanto nossos filhos aguardam o que esperamos ser um retorno a um ano acadêmico mais normal, exceto complicações causadas pela variante Delta do coronavírus e surtos de Covid-19, os pais podem ajudar os filhos a voltar para o mundo social do ensino médio, independente da forma que o ensino assuma, falando sobre essas mudanças nas amizades de forma aberta, honesta e sem julgamento. Veja como começar.

Naturalize o término de amizades

Mudanças constantes na aparência, crenças e amizades podem deixar os pais com uma sensação de chicotada e os filhos exaustos, mas falar sobre a normalidade da mudança ajuda muito a aliviar esse desconforto para todos. Muitos pré-adolescentes e adolescentes se consolam em saber que apenas 1% das amizades formadas na sétima série duram até o ensino médio, de acordo com um estudo de 2015 intitulado “Uma Análise da Sobrevivência de Amizades entre Adolescentes”.

Há muita pressão sobre as crianças para encontrarem um melhor amigo, mas os pais podem reduzir esse fardo aceitando que todas as crianças perderão velhos amigos e ganharão novos ao longo da adolescência.

Adolescência
Foto: Getty Images (FG Trade)

Não fique no escuro

Se possível, os pais devem abordar esse assunto antes que aconteça, para que os filhos não se sintam surpreendidos se um amigo não retribuir mais sentimentos íntimos. Procure exemplos em músicas, programas de TV ou livros para usar como ponto de partida para iniciar esta conversa.

Os adolescentes tendem a ser mais receptivos a ouvir sobre as perdas de amizade de outras pessoas do que a sua própria. O uso dessa técnica terapêutica chamada “falar em deslocamento”, que permite que uma pessoa ouça e analise sem se sentir na defensiva ou constrangida, pode aumentar a disposição de seu filho se engajar inicialmente, quando o assunto parece teórico e não pessoal.

Defina as expectativas de comportamento

Se uma amizade chega ao fim, isso não é motivo para começar a ignorar a outra pessoa, falando mal dela ou contando a outros amigos os detalhes dos bastidores da separação. Especialmente quando muitos pré-adolescentes e adolescentes estão se comunicando amplamente por meio da tecnologia digital, incluindo textos em grupo e aplicativos de redes sociais, há um potencial maior de boatos ou de uma pessoa ferida ser constantemente lembrada da perda.

Escalabilidade, a capacidade dos adolescentes de atingirem um público mais amplo com eficiência, foi a forma mais comum pela qual os desafios das amizades foram ampliados, de acordo com um estudo de 2016 sobre como a tecnologia impacta as barreiras à amizade. Os pais devem falar sobre a importância de tratar a todos com dignidade, mesmo – e principalmente – se vocês não são mais amigos, bem como a importância de manter rompimentos, sejam românticos ou platônicos, privados e fora das redes sociais.

Crie oportunidades para novas amizades

Os pré-adolescentes e adolescentes precisam ser expostos a muitas coisas novas para descobrir quem são, incluindo experiências e pessoas. Mais chances de experimentar coisas novas e conhecer novas pessoas naturalmente aumentam as chances de seu filho encontrar o que agrade. Crianças neurodivergentes, como aquelas com Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) ou que estão no espectro do autismo, em particular, consideram as amizades adolescentes um desafio único.

Em um estudo, participantes adolescentes com TDAH revelaram em 2020 que, embora o ensino médio fosse o momento mais difícil para a amizade, a ida para o ensino médio, onde tinham mais chances de conhecer mais pessoas, assistir a mais aulas e participar de mais atividades extracurriculares tornou muito mais fácil para fazer e manter amigos.

Fique neutro

Além de apoiar novas amizades – incluindo ser motorista de meio período, se possível – não há muito que os pais devam fazer para se envolver quando a amizade terminar. Em particular, tome cuidado para não falar mal da outra pessoa quando uma amizade chegar ao fim. “Eu nunca gostei dele” pode parecer uma demonstração de solidariedade ou empatia, mas as crianças ouvem as críticas de um ex-amigo como uma acusação de suas escolhas. Você pode ficar ao lado do seu filho sem falar mal do ex-amigo dele.

Lembre-se de que seu filho também pode terminar uma amizade e, como as amizades mudam com tanta frequência nessa idade, às vezes os relacionamentos voltam às boas. Você não vai gostar da ideia de ter que voltar atrás em nada do que disse se isso acontecer.

Embora o fim de amizades seja triste, ainda pode haver uma sensação de conforto, e até mesmo de empolgação, em adolescentes experimentando coisas novas e novas amizades, à medida que formam suas identidades adultas.

*Michelle Icard é escritora, educadora e palestrante

Texto traduzido, leia o original em inglês.

Mais Recentes da CNN