Comer pizza é saudável (e também não é)

No Dia Internacional da Pizza (10 de julho) escolha a forma mais saudável de consumir o alimento para comemorar

Tamanho da fatia e escolha dos ingredientes podem tornar a pizza um alimento saudável ou não
Tamanho da fatia e escolha dos ingredientes podem tornar a pizza um alimento saudável ou não Foto: Getty Images

Lisa Drayer, da CNN

Ouvir notícia

Comer pizza é saudável, mas também não é. Dependendo do tipo da massa, da quantidade de queijo e dos ingredientes utilizados, ela pode ser incluída em uma alimentação equilibrada ou pode ser um verdadeiro desastre para a dieta. Na data em que se comemora o Dia Internacional da Pizza (10 de julho), saiba como escolher a melhor opção para a sua saúde.

Até mesmo as pizzas mais saudáveis possuem uma grande quantidade de sódio, presente no molho e no queijo. Por esse motivo, pessoas que precisam manter dietas baixas em sal devem ter parcimônia com o alimento. Obviamente, o tamanho da fatia e a quantidade de pedaços consumidos também entram nessa conta.

Os pontos a favor da pizza incluem o fato de que o alimento é rico em cálcio (presente no queijo) e em licopeno (presente no tomate), substância que ajuda a combater doenças. A pizza preparada com farinha integral é mais saudável do que a feita com a farinha branca, pois é fonte de grãos e fibras, digeridos mais lentamente que os grãos refinados (o que significa que precisamos de menos fatias para nos sentir saciados).

Os recheios escolhidos também pode afetar seu valor nutricional. Ingredientes como calabresa e queijo extra aumentam a gordura saturada, o sódio e as calorias da pizza. Já as fatias mais finas e cobertas com vegetais tendem a ter menos calorias e gorduras saturadas. 

Por exemplo, um pedaço da pizza Veggie Lovers, da Pizza Hut, tem 240 calorias, 4 gramas de gordura saturada e 710 miligramas de sódio. Já uma fatia de pizza de quatro queijos da Domino´s tem 649 calorias, 4 gramas de gordura saturada e 446 miligramas de sódio. 

As pizzas congeladas podem ser um jantar prático, mas também variam em termos de ingredientes e valores nutricionais, especialmente em relação à quantidade de sódio. Por esse motivo, é importante ler os rótulos com cuidado. As pizzas sem lactose e sem glúten também podem ser saudáveis ou não, dependendo de seus ingredientes.

Em relação ao consumo de pizza por crianças e adolescentes, um estudo recente concluiu que incluir o alimento em suas dietas está associado a uma maior ingestão de gorduras saturadas e sódio. O estudo também concluiu que quando crianças e adolescentes consomem pizza de cadeias de fast-food ou substituem o lanche por ela também ingerem mais calorias. 

A pizza consumida nas escolas não afetou significativamente a ingestão de calorias de crianças e adolescentes, provavelmente porque não sejam nutricionalmente diferentes de outros pratos servidos nos colégios, segundo os autores do estudo. 

Se você consome pizza com frequência, a sugestão é preferir aquelas que levam ingredientes mais saudáveis, como farinha integral, queijos parcialmente desnatados e molho de tomate sem sal. E procure adicionar verduras à sua fatia. 

Nota do editor: este texto foi publicado originalmente em maio de 2017 e atualizado em julho de 2021

(Texto traduzido. Leia o original, em espanhol)

 

 

Mais Recentes da CNN