Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Como ajudar as crianças a desenvolver a confiança para experimentar coisas novas

    Pandemia da Covid-19 transformou o mundo em um lugar mais assustador, onde todas as coisas novas e desconhecidas vieram com um risco adicional de adoecer

    Freepik

    Elissa Strausda CNN

    Poder-se-ia esperar que a capacidade de tédio das crianças fosse igualada por um apetite por todas as coisas novas – se ao menos a paternidade fosse tão fácil. Experimentar coisas novas é difícil para muitas crianças, seja uma comida, atividade ou habilidade diferente. Eles gostam do que sabem e sabem do que gostam.

    A pandemia não ajudou.

    O acesso à novidade e ao desconhecido foi cortado nos últimos anos. Houve menos exposição à culinária de outras pessoas, atividades extracurriculares e viagens limitadas e menos encontros com novos amigos cujas casas têm cheiros, comidas e regras diferentes, entre outras oportunidades perdidas.

    Para piorar as coisas, a Covid-19 transformou o mundo em um lugar mais assustador, onde todas as coisas novas e desconhecidas vieram com um risco adicional de adoecer.

    “Quando as crianças estão ansiosas, elas tendem a preferir previsibilidade, familiaridade e repetição, e não gostam de incerteza, imprevisibilidade e mudança. Essas três últimas palavras são uma grande parte da vida durante a pandemia”, disse Eli Lebowitz, diretor do Programa de Transtornos de Ansiedade do Yale Child Study Center.

    “Todas as crianças sofreram perdas, seja a perda de suas vidas normais, o sustento de sua família ou entes queridos”, disse Lebowitz. “Não é surpreendente que estejamos vendo crianças se retirando para lugares onde elas têm controle.”

    Um dos meus principais trabalhos como pai é expor meus filhos a uma ampla variedade de pessoas e experiências. Faço isso com a esperança de que eles se tornem mais abertos, coletando um amplo espectro de cores com as quais possam pintar a história de suas vidas.

    Infelizmente, estamos todos um pouco enferrujados. As crianças precisam de incentivo para sair e experimentar o mundo, e os pais e cuidadores precisam de ajuda para descobrir como fornecer essa ajuda sem fazê-los se sentirem inseguros ou superexpostos. Tal equilíbrio requer reflexão e intenção, o que não é, felizmente, impossível de alcançar.

    Aqui estão dicas aprovadas por especialistas sobre como fazer seus filhos experimentarem coisas novas sem assustá-los.

    Criança brincando
    / Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

    Comece com o que eles sabem

    Pegue algo que seus filhos já gostam ou em que são bons e leve-os para experimentá-lo em um novo ambiente ou de maneira ligeiramente diferente, disse Maurice J. Elias, professor de psicologia da Rutgers University e coautor de “Como criar uma criança autodisciplinada, responsável e socialmente habilidosa.”

    “Queremos que nossos filhos se sintam confiantes sobre seus pontos fortes e usem isso como um trampolim para tentar algo novo. No que nossos filhos são bons? Com o que eles se sentem confortáveis? Como podemos ajudá-los a avançar nisso?” ele disse.

    Por exemplo, “se eles tocam um instrumento musical, qual é outro local onde eles podem tocar esse instrumento?”

    Não há necessidade de aprender um novo instrumento, figurativamente e metaforicamente falando – apenas uma oportunidade de empurrar seu filho para tentar algo novo com a habilidade ou hobby que eles conhecem.

    As rotinas são suas amigas

    Às vezes, uma coisa nova funciona melhor quando faz parte de uma coisa antiga. Essa é uma tática particularmente útil com crianças neurodiversas e outras avessas à mudança, disse Karen VanAusdal, diretora sênior de prática da Collaborative for Academic, Social and Emotional Learning, com sede em Chicago.

    “Rotinas e rituais podem ser muito reconfortantes e úteis”, disse ela. “Eu acredito em mantê-los e, em seguida, esticar uma parte (deles) para adicionar algo novo, enquanto permito ao garoto a agência e o poder de decidir se eles querem fazê-lo.”

    Aqui está um pequeno exemplo meu: Meus filhos e eu costumamos sair para comer comida coreana nas noites de quinta-feira. Recentemente, tentámos um novo restaurante onde a comida era um pouco diferente. Eles, para minha surpresa, não se importaram! A ideia de comer em um restaurante coreano juntos parecia tão segura, excitante e familiar que eles estavam dispostos a experimentar comidas que nunca tinham comido antes.

    Faça uma lista

    Pergunte ao seu filho quais coisas novas eles querem experimentar — ou peça-lhe que escreva uma lista, disse VanAusdal. Ajude-os a descobrir com o que estão preocupados quando evitam coisas novas, seja uma festa do pijama na casa de um amigo ou um novo prato de massa.

    Às vezes, o ato de identificar e nomear os medos pode ajudar a diminuí-los. É uma maneira de se sentir no comando de suas emoções e entender a conexão entre sentimentos, pensamentos e ações.

    “Como parte dessa conversa, você pode fazer com que eles façam um exercício no qual se imaginem fazendo algo que amam fazer. E depois peça para eles pensarem se nunca tentaram isso”, disse ela. “Isso os ajudará a ver como, embora possa haver um pequeno risco envolvido (em fazer coisas novas), a recompensa pode ser enorme.”

    Criança comendo fruta / Anna Bizon / Freepik

    Simpatizar e encorajar

    Lebowitz incentiva os pais e cuidadores a praticar tanto o reconhecimento dos medos de seus filhos quanto a expressão da certeza de que eles podem lidar com a tarefa. Ambos são igualmente importantes, disse ele, e nem sempre intuitivos. Alguns tendem a dizer às crianças que algo que elas temem não é assustador, o que pode invalidar suas emoções. Outros tendem a confortá-los e dizer-lhes que não há problema se eles não quiserem fazer algo que os assuste, o que pode validar seus medos.

    “Comunique a aceitação. Reconheça que algo pode ser assustador, angustiante, desconfortável ou difícil”, disse Lebowitz. Seu conselho: diga diretamente a eles que você sabe que isso é assustador ou difícil para eles. Faça tudo bem. Mas não pare por aí.

    É importante projetar confiança em seu filho, acrescentou Lebowitz. “Diga que você acredita que eles têm a capacidade de lidar com esses desafios e tolerar o desconforto, as preocupações ou os sentimentos negativos” que podem surgir ao fazer coisas novas ou assustadoras.

    Pais e cuidadores são como espelhos para crianças, disse ele, e “se o reflexo que os pais criam é vulnerável, fraco ou incapaz, então é assim que eles se veem”.

    Considere se eles estão fazendo o suficiente

    Pais e cuidadores também devem fazer algumas reflexões, disse Lebowitz. Seu filho realmente precisa experimentar tofu, artes marciais ou uma festa do pijama na casa da vovó?

    Ou, talvez, eles estão indo perfeitamente, imperfeitamente, OK?

    Ele disse que é útil conceber esse processo através das lentes dos alimentos. Sua dieta é tão restrita que eles estão prejudicando sua saúde? Ou eles comem uma dieta principalmente equilibrada que você, o pai, deseja que seja mais aventureiro, mas não representa risco para o bem-estar deles.

    “Realmente importa qual é. Se seu filho está funcionando em geral, ele está fazendo o básico, tem alguns amigos, então seja encorajador, mas não exagere em tudo o que ele não está fazendo”, disse Lebowitz. “Às vezes, fazer isso nos impede de nos concentrar nas coisas que eles estão fazendo.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original