Conheça vidas de pessoas que não mudaram após a vacinação. Entenda o novo normal

Mesmo após a vacinação contra a Covid-19, as pessoas ainda estão cautelosas sobre o que podem ou não fazer

Após a vacinação contra a Covid-19, pessoas buscam descobrir novas formas de se relacionar com cautela
Após a vacinação contra a Covid-19, pessoas buscam descobrir novas formas de se relacionar com cautela Foto: Getty Images

Christina Zdanowicz, CNN

Ouvir notícia

Para todas as pessoas que estão clamando pela volta ao mundo após a vacina da Covid-19, há muitos que estão dizendo: “não, não estamos prontos”.

Mesmo com a ciência da vacina do seu lado – e novas orientações do CDC sobre uso de máscaras nos Estados Unidos divulgadas na semana passada – a discussão é sobre o que as pessoas se sentem confortáveis para fazer.

Pegar um avião, ir a shows, fazer compras pessoalmente ou ir ao cinema são algumas das coisas que parecem desconfortáveis para alguns, pois as pessoas são vacinadas e o vírus continua a levar vidas.

A CNN conversou com pessoas que não estão mudando sua maneira de viver mesmo depois de serem vacinadas. Eles contaram por que seu “novo normal” se parece muito com uma vida pandêmica.

Aqui estão algumas de suas histórias, contadas em suas próprias palavras. As respostas foram editadas por questões de extensão e clareza.

A família percebeu que adora ficar em casa, então estão construindo um cineminha

Dawn Moore-Johnson, 55, Conyers, Geórgia

Não seremos eremitas em casa, mas acho que ainda existem tantas incógnitas por agora. Só porque tomei as duas doses não significa que posso simplesmente sair em público e agir como se nada tivesse acontecido.

Nossa família cresceu de apenas uma mulher solteira para casada, em setembro, e com minha mãe de 83 anos morando conosco.

Fomos a um restaurante que, segundo soubemos, apresentava um bom distanciamento social quando fui promovida. Entramos e fiquei horrorizada porque estou olhando em volta e as pessoas não estão usando máscaras e pensando: “O que há de errado com essas pessoas?”. Os profissionais tinham máscaras, então não tiramos as nossas. Continuaremos saindo para comer, mas comeremos ao ar livre ou pediremos apenas comida para viagem.

O cinema está totalmente fora de cogitação para mim. Mas no estilo drive-in, você meio que se sente num casulo porque está em seu próprio veículo, com sua própria família. É importante ser capaz de fazer coisas que você gosta de fazer, mas tome cuidado ao fazer isso. Estou gostando de estar em casa. Investimos dinheiro para terminar uma parte de nosso porão para termos nosso próprio cinema, onde podemos assistir a filmes em casa.

Decidimos, depois de sermos vacinados, que sairíamos de férias. Nós iremos apenas no futuro próximo – eu não quero entrar em um avião. Escolhemos os parques temáticos da Disney principalmente porque eles são muito rigorosos em seu protocolo. Eles estão limitando os ingressos e você tem que fazer reservas.

Nós nos concentramos em tentar melhorar a nós mesmos e nossa vida enquanto estávamos em quarentena e ainda estamos. Meu marido está fazendo doutorado. Estou trabalhando no meu mestrado. Pudemos fazer isso virtualmente.

Acho que ainda temos muito que aprender. Nem sabemos quanto tempo a vacina vai durar. Não sabemos o que vai acontecer em outras partes do mundo que pode nos afetar. Acho que certas coisas vão ficar fora dos limites por um tempo, infelizmente, pelo menos para mim.

Ela está feliz fazendo as coisas sozinha, mas sente falta dos netos

Carla Glidewell, 72, Indianápolis, Indiana

Meu normal é o mesmo dos últimos 12 meses. Uso máscara, lavo as mãos e já tomei as duas doses da vacina. Não vou sair por aí ou visitar a família até que meus dois netos recebam a imunização.

Por estar aposentada, nunca fui de sair muito, como ir dançar, ir a bares ou algo assim. Sou uma pessoa muito feliz em casa cuidando do jardim e lendo. Gosto de quebra-cabeças e pintura por números.

Eu moro em um bairro maravilhoso e todos nós visitamos a varanda da frente, quando o tempo permite, com uma máscara. Então, não é como se eu tivesse interação zero. Eu levo meus dois filhotes para passear e visito amigos pelo telefone.

Minhas grandes saídas durante a pandemia, e mesmo agora, tem sido ao supermercado a cada duas ou três semanas e ao posto de gasolina. Acho que até as variantes se acalmarem e até o mundo se acalmar, sou apenas uma pessoa muito cautelosa.

Antes da pandemia, eu levava meus netos para a escola todos os dias. Isso acabou no ano passado, em março. Se você quiser acreditar nisso, minha filha mora a 19 quilômetros de mim e ainda não tenho permissão para ir. Minha filha é extremamente cautelosa. Estou ansiosa para estar com os meninos novamente. Perdi um ano da vida deles.

Sempre fui muito otimista. Aos 72, você já passou por muita coisa, e eu sempre tento encontrar o lado bom de tudo que está acontecendo. Minha mãe viveu durante a Segunda Guerra Mundial e isso durou anos, então posso passar por isso também.

Ele tem medo de entrar em um supermercado, mas a academia o mantém são

Jermaine Williams, 35, Dallas, Texas

Como um profissional negro, surdo, gay e com questões de saúde mental, meu plano pós-pandemia é continuar aprendendo mais sobre como utilizar minhas habilidades de enfrentamento e reconectar a desconexão que experimentei.

Assim que fui vacinado, comecei a fazer pequenas coisas como ir à academia. Eu faço crossfit cinco vezes por semana, corro quase diariamente e ainda uso minha máscara quando faço exercícios. Isso é meio que dar grandes passos para voltar ao novo normal, mas ainda tenho medo de entrar no mercado.

Trabalhei no Whole Foods Market. Mas, com a pandemia, não me sentia confortável com as pessoas no meu espaço ou próximas de mim. Alguns dos clientes tiravam suas máscaras e falavam comigo – isso me assustava. Tive que pedir demissão porque ainda tinha medo de entrar na loja. Felizmente, consegui um emprego como motorista de entrega.

Durante a pandemia, houve momentos em que eu não saía do meu apartamento por quase uma semana ou uma semana e meia. Tenho depressão e um transtorno de ansiedade generalizada que se manifestou durante a pandemia. Com a ajuda da terapia e consultas psiquiátricas, fui capaz de desenvolver ferramentas para controlar melhor minha ansiedade e desenvolver algum tipo de paz de espírito.

Por exemplo, grandes reuniões são algo ao qual não voltarei. Isso se deve ao clima atual, com as pessoas que optam por não se vacinar e divulgam que se recusam a se vacinar. Isso me incomoda e sei que não posso perguntar se eles foram vacinados.

Gostei de ir a eventos comunitários que atendem à comunidade de surdos e deficientes auditivos. Mas com tudo que está acontecendo agora, percebi que reuniões podem não ser as mesmas depois da pandemia.

Estou pronto para ficar sem máscara? Não tão cedo. Pela primeira vez em algum tempo, eu me sinto confortável em usar a palavra “não” se a situação para mim não for ideal ou segura.

Ela sente falta do bar, mas não vai voltar depois da pandemia

Joanne van Veen, 49, Vancouver, Washington

Eu não sou uma fã de bares, mas como uma bartender, é muito divertido. Eu consigo flertar. Eu consigo conhecer novas pessoas. Eu realmente sentirei falta disso. Mas agora, com a ameaça de uma pandemia e uma doença grave, será que eu quero estar perto de tantas pessoas? Eu geralmente fico com um resfriado horrível todo inverno. Para minha saúde, acho que nunca vou voltar, mesmo que as coisas voltem ao normal.

Acho que não vou sair mais tanto para comer. Minha comida é melhor e mais barata. Não há mais festivais de música ou shows também. Não quero mais ficar aglomerada com um monte de gente. Por que eu iria querer fazer isso quando tenho um sofá confortável? A Covid-19 me tornou anti-social, é uma loucura.

Na verdade, tive Covid-19 em julho. Minha filha e eu tivemos ao mesmo tempo. Foi o suficiente para colocar o temor de Deus em mim de que algo assim pudesse acontecer. À medida que as coisas vão se abrindo, emocionalmente me sinto quase isolada dos meus amigos. Não aceito os convites para ir a um bar ou mesmo para almoçar. Eu digo: “Em vez disso, vamos dar um passeio.”

Andar por aí vendo pessoas com máscaras é desanimador. Sofro de claustrofobia e ansiedade, que pioraram durante a pandemia. Não posso ter nada perto do meu rosto, então, quando as máscaras viraram regra, pensei “Estou em problemas!”. Não gosto do mundo que vejo quando saio de casa. Dentro da minha casa, posso fechar tudo.

Eu tinha uma agenda para ser vacinada, mas entrei em pânico e me perguntei se estava pronta. Parece bobo, mas estou realmente com medo. Meu pai insiste em garantir que todos sejam vacinados antes de nossa visita. Não o vejo há mais de um ano, então esse é o fator que me leva a ser vacinada em junho, antes de vê-lo.

Não sei se é apenas a minha idade, mas sinto que toda a coisa da pandemia me mudou para sempre, de um jeito bom. Do ponto de vista financeiro, nunca, em meus sonhos mais loucos, pensei que ser bartender seria coisa do passado, ou que ficaria parada por um ano e meio, a ponto de não ser possível interagir com as pessoas. Definitivamente vou guardar dinheiro para o futuro, porque você nunca sabe o que está por vir.

Ela gostaria que as pessoas fossem vacinadas para que a vida não tivesse que ser assim

Kimberly LoRusso, 46, Northborough, Massachusetts

Pra ser sincera, não confio que outras pessoas tenham feito a coisa certa. E parece que a coisa mais simples é manter o distanciamento e usar máscaras e meio que manter minha bolha de interações reduzida. Sou eu, meu marido e dois adolescentes – meu filho é asmático. Meus filhos já receberam sua primeira dose.

Quando estivermos com nossos amigos, vamos ampliar um pouco essa bolha. Tenho alguns amigos íntimos de confiança que não vejo há muito tempo, mas sei que eles estão vacinados. Não estou a fim de shows no parque. Mas posso definitivamente ir ao quintal de alguns amigos diferentes e fazer um churrasco lá.

Acho uma loucura que eles estejam afrouxando essas restrições de forma tão agressiva. Não me vejo abrindo mão da máscara em público por um longo tempo. Sei que a maioria das pessoas está ansiosa para largá-las, mas gosto da proteção que isso me deu dos outros. As pessoas são tão nojentas. Isso me surpreende. Recentemente, vi um homem tirar a máscara para espirrar no supermercado e depois colocá-la novamente. Eu estava parada no corredor e perguntei: “O quê?” Você deveria mantê-la.

Eu me tornei um pouco um germofóbica. Meus filhos odeiam quando, no segundo em que entram pela porta, eu fico tipo, “Lave as mãos, lave as mãos”. Não vou deixá-los sentar na minha cama com roupas normais. Eu os faço mudar porque eles foram expostos. Eu adoraria que todos fossem vacinados para que eu não tivesse que ser assim.

Este é um texto traduzido, para ler o original, em inglês, clique aqui.

Mais Recentes da CNN