‘É desafiador para Butantan e Anvisa serem os primeiros a aprovar a Coronavac’

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Em conversa com a CNN neste domingo (10), o ex-presidente da Anvisa Dirceu Barbano falou sobre as vacinas em desenvolvimento no Brasil. A agência reguladora brasileira questionou os dados enviados pelo Instituto Butantan a respeito da Coronavac, alegando que são insuficientes para que ocorra uma aprovação de uso emergencial. 

Leia e assista também:

Fuvest: mesmo com medidas de proteção, candidatos temem contágio por Covid-19

Pence não descarta 25ª Emenda para destituir Trump da presidência, diz fonte

Vacina traz otimismo e aéreas veem retomada do setor

Barbano explica que a Anvisa é a primeira agência reguladora do mundo que está se debruçando para a aprovação do imunizante. Portanto, as outras agências internacionais vão estar de olho na aprovação da Anvisa. 

“É mais desafiador, para a Anvisa olhar para essa vacina porque ela será a primeira e será, inclusive, exposta ao mundo todo, a todas as outras agências, e a Anvisa é uma agência respeitada globalmente. E por isso ela precisa ser muito cuidadosa e criteriosa. E, de um outro lado, o próprio Butantan, que ainda não passou pelo crivo de uma outra agência, no sentido destas exigências já terem sido feitas. É desafiador tanto para o Butantan, quanto para a Anvisa, serem os primeiros que estão passando pelo escrutínio de uma agência tão rigorosa com respeito à habilidade mundial”, afirma.

Dirceu Barbano, ex-presidente da Anvisa
Dirceu Barbano, ex-presidente da Anvisa (10 jan. 2021)
Foto: Reprodução / CNN

Ele acredita que o fato da Oxford/AstraZeneca já ter sido aprovada em outros países do Reino Unido ajuda tanto o produtor da vacina no Brasil, que é a Fiocruz, quanto a Anvisa, porque já se têm claro quais foram as exigências e, eventualmente, problemas apontados em outros lugares do mundo.  

“Ela já foi aprovada pela agência britânica, inglesa, e foi, também, aprovada pela agência europeia. Então, claro, que quando você já teve no ambiente regulatório um olhar e que houve uma aprovação, isso significa que as informações são mais amigáveis para os reguladores que tomaram aquela decisão. E as agências têm mecanismos de cooperação muito concretos, de trocas de informações”, diz. 

(Publicado por Luiz Raatz)

 

Mais Recentes da CNN