Em SP, negros têm taxa de infecção 2,5 vezes maior do que brancos, diz pesquisa

Esta é a segunda fase do estudo comandado por cientistas da USP e da Unifesp, com apoio do Instituto Semeia, e profissionais do Laboratório Fleury e Ibope

Pesquisa realizou exames sorológicos em 1.183 pessoas em 115 regiões da capital paulista
Pesquisa realizou exames sorológicos em 1.183 pessoas em 115 regiões da capital paulista Foto: Reprodução - 01.jul.2020 / CNN

Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

A população negra é 2,5 vezes mais infectada pelo novo coronavírus do que a de brancos, segundo uma pesquisa realizada na cidade de São Paulo. Amostras de sangue colhidas entre os dias 15 e 24 de junho indicam que 19,7% dos participantes que se identificam como negros possuem anticorpos contra a Covid-19, enquanto entre os que se declaram brancos o porcentual é de 7,9%.

Essa é a segunda fase do estudo comandado por cientistas da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), com apoio do Instituto Semeia, e participação de profissionais do Laboratório Fleury e Ibope Inteligência. A pesquisa realizou exames sorológicos em 1.183 pessoas, todos maiores de 18 anos, em 115 regiões diferentes da cidade — em cada região foram sorteados 12 domicílios.

O estudo separou distritos com maior e menor renda, segundo dados do IBGE. A conclusão é que a epidemia da Covid-19 no município de São Paulo reflete a desigualdade social. A infecção pelo novo coronavírus diminui em localidades onde a população tem melhor nível educacional. Ela tem 4,5 vezes mais chances de infectar indivíduos que não completaram o ensino fundamental, por exemplo, do que os que terminaram o ensino superior: 22,9% e 5,1%, respectivamente.

Assista e leia também:

Influenciadores negros traduzem finanças a seguidores fora do eixo ‘Faria Lima’

Nasa muda nome de sede para homenagear primeira engenheira negra da agência

Participantes que vivem em habitações com cinco ou mais indivíduos apresentam índice de infecção de 15,8%, quase duas vezes mais do que aqueles que dividem a casa com um ou dois indivíduos (8,1%). 

“É como se tivesse duas epidemias correndo ao mesmo tempo na cidade. Não dá para comparar, mas traduz a expansão, que afeta mais os que têm menos recursos porque são os que precisam ir trabalhar, têm menos condições de fazer o isolamento”, disse o infectologista Celso Granato, diretor clínico do Grupo Fleury e pesquisador líder do projeto.

Segundo Beatriz Tess, professora do departamento de Medicina Preventiva da USP, a questão da desigualdade social já era, de certa maneira, esperada pelo que se vê sobre a evolução da doença nas cidades. “Mas a pesquisa, ao mostrar esses dados, traz uma coisa muito importante, que é a magnitude dessa diferença.”

De modo geral, do total de 1.183 entrevistados que tiveram as amostras de sangue analisadas, 11,4% têm anticorpos. Estima-se que aproximadamente 958 mil pessoas maiores de 18 anos já foram infectadas pelo novo coronavírus na capital paulista, que tem população de pouco mais de 8 milhões de habitantes acima dessa faixa etária. Considerando somente mortes confirmadas até a data do estudo, estima-se que a taxa de letalidade na população maior de 18 anos é de 0,7%.

Uma nova pesquisa mais detalhada deve sair em agosto, informou o biólogo Fernando Reinach, que reuniu o grupo de cientistas. “A quantidade e possibilidade de informações são bem maiores. Será possível dimensionar a contaminação dentro da casa, entender todos os sintomas, compreender casos de pessoas assintomáticas, analisar índice de vulnerabilidade”, disse ele.

Método da pesquisa

A renda de cada bairro na cidade de São Paulo é traçada por uma média geral. Na capital paulista há peculiaridades como, por exemplo, na região do Morumbi, onde há uma área nobre e também uma grande comunidade. O IBGE pega a média de cada localidade e estabelece um índice. 

A pesquisa utilizou esse valor como base e dividiu a cidade em duas, com distritos mais ricos e mais pobres. Os bairros foram subdivididos em 115 setores censitários. Em cada um deles, houve o sorteio de 12 residências para fazer parte do estudo.

Uma semana antes de fazer a visita, é feita uma ligação para o local sorteado para evitar rejeição. Pelo rigor metodológico, pesquisadores não podem simplesmente bater na casa vizinha se houver recusa. A aleatoriedade é importante para aumentar a representatividade da amostra e evitar resultados enviesados.

Um pesquisador do Ibope e um enfermeiro do Fleury visitam a casa sorteada. O exame é oferecido a todos os moradores da residência, pois contribui também para novas etapas do estudo. Por exemplo, para medir o índice de transmissão entre parentes.

Quem aceita participar da pesquisa preenche um questionário e doa um pouco de sangue, retirado por meio de pulsão intravenosa, como ocorre em um laboratório.

A primeira fase teve o estudo divulgado em maio e apontou que nos seis bairros com maior incidência de Covid-19 na cidade de São Paulo, até então, 5,19% dos moradores dessas localidades desenvolveram anticorpos. O levantamento apontou também que 91,6% dos casos de infecção estavam fora das estatísticas oficiais.

Mais Recentes da CNN