Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Especialista da OMS explica estudo que infectará voluntários com Covid-19

    Por vacina, Reino Unido vai infectar intencionalmente jovens com o novo coronavírus; entenda

    Da CNN, em São Paulo

    Ouvir notícia

    Em entrevista à CNN, Mariângela Simão, vice-diretora geral da área de Medicamentos, Vacinas e Produtos Farmacêuticos da Organização Mundial da Saúde (OMS), falou sobre a decisão do Reino Unido de financiar testes que usam o novo coronavírus para infectar intencionalmente indivíduos saudáveis. O projeto busca acelerar uma vacina para a Covid-19 e terá jovens como voluntários. 

    Apoiadores do chamado “desafio humano” dizem que é uma boa maneira de se comprovar a eficácia de vacinas experimentais, que têm potencial de sucesso. Já críticos acreditam que infectar deliberadamente uma pessoa com uma doença que pode ser fatal é antiético.

    Assista e leia também:

    Anvisa relata morte de voluntário brasileiro em teste de vacina de Oxford

    Por vacina, Reino Unido infectará intencionalmente jovens com Covid-19

    Jovens saudáveis podem ter acesso à vacina da Covid-19 apenas em 2022, diz OMS

    Segundo Mariângela Simão, a OMS tem um comitê de especialistas na area de ética que, em maio deste ano, já havia emitido um parecer sobre o tema, que não é novo e foi utilizado em algum momento do processo de desenvolvimento de imunizantes como contra a varíola, a cólera e a influenza. No entanto, ela lembra que é preciso ser feito em condições adequadas.

    A especialista explica que para que os testes sejam realizados, alguns critérios devem ser seguidos. 

    “É preciso ter justificativa científica, avaliar a relação custo-benefício, fazer uma consulta pública sobre o tema, ter uma coordenação entre o Ministério da Saúde do país e os pesquisadores, escolher de maneira criteriosa onde o estudo vai acontecer e o tipo de voluntário que participará do estudo, e, claro, ter consentimento informado”.

    Os estudos do “desafio humano” estão previstos para começar em janeiro de 2021 com resultados esperados em maio do mesmo ano. 

    (Edição: Sinara Peixoto)

     

    Mais Recentes da CNN