Estados Unidos vão exigir teste negativo de Covid-19 para entrada no país

Teste deverá ser feito um dia antes da partida para o país. Medida será anunciada pelo presidente Joe Biden nesta quinta-feira (2)

DJ Juddda CNN

Ouvir notícia

Como parte dos esforços contínuos para combater a pandemia de Covid-19, a Casa Branca anuncia uma série de novas ações nesta quinta-feira (2) com o objetivo de combater o novo coronavírus e proteger os estadunidenses da variante Delta e da nova linhagem Ômicron.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, vai detalhar o plano de nove frentes do governo em comentários no National Institutes of Health (NIH) nesta quinta-feira, um dia após a confirmação pelas autoridades sanitárias do primeiro caso registrado da variante Ômicron nos Estados Unidos, na Califórnia.

“Embora essa nova variante seja motivo de preocupação, não é motivo de pânico”, disse um alto funcionário do governo a repórteres na quarta-feira (1º), antes dos comentários do presidente.

“Temos as ferramentas de que precisamos para enfrentar essa variante, para continuar avançando em nossa luta contra o vírus, e estamos usando essas ferramentas para manter as pessoas seguras, manter nossas escolas abertas e proteger nossa economia”, acrescentou o funcionário.

Os planos abordam várias áreas:

Orientação para viagens nacionais e internacionais

Com base nas novas restrições de viagens de regiões afetadas pela disseminação da variante Ômicron no início desta semana, Biden anunciará novas etapas na quinta-feira para reforçar o protocolo de teste da Covid-19 antes da partida para todos os viajantes internacionais que chegam ao país, exigindo um teste negativo dentro de um dia da partida para os Estados Unidos.

No momento, qualquer estrangeiro que viaje para os Estados Unidos deve estar totalmente vacinado, embora não permaneça nenhuma exigência de vacinação para cidadãos americanos que viajam de avião, seja global ou nacionalmente.

O governo também anunciará formalmente seu plano de estender a exigência de máscara para viagens domésticas, originalmente programado para expirar em janeiro, até meados de março. A ordem, que já foi prorrogada no início do verão (no hemisfério norte), também se aplica a viagens de trem e transporte público, e vem em meio a relatos generalizados de passageiros indisciplinados que se recusam a cumprir as ordens do uso de máscara.

Aumento do alcance da vacina e reforço para idosos e crianças

De acordo com o plano anunciado na quarta-feira, a administração Biden está aumentando o alcance da vacina, incluindo esforços, em parceria com Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, a AARP e Medicare, para garantir que cerca de 100 milhões de norte-americanos elegíveis para o reforço da vacina da Covid-19 recebam injeções o mais rápido possível, incluindo o lançamento de campanhas de educação pública em todo o país, o oferecimento de caronas para vacinas e marcações de reforço para os “americanos mais velhos mais atingidos e em maior risco” do país.

O governo também revelará uma série de medidas destinadas a aumentar as taxas de vacinação entre as crianças, em um esforço para manter as escolas abertas e proteger as crianças de 5 anos ou mais.

Como parte desses esforços, o governo lançará “clínicas de vacinação familiar” destinadas a oferecer vacinas e reforços para famílias inteiras de uma vez e o oferecimento pela Agência Federal de Gestão de Emergências (FEMA) de clínicas móveis de vacinação para alcançar comunidades de difícil acesso.

O governo também está emitindo uma “Lista de Verificação da Escola Segura” para que as escolas possam encorajar com segurança a vacinação e doses de reforço e evitar surtos.

Biden também anunciará novas ações para exportar vacinas para o exterior, incluindo mais 200 milhões de doses nos próximos 100 dias, acelerando a entrega para países de alto risco, enquanto aumenta a fabricação de vacinas para aumentar a capacidade de produção global.

Expansão os esforços de testes e resposta a surtos

O anúncio de Biden na quinta-feira também trará novas etapas para aumentar os testes da Covid-19, incluindo a notícia de que as seguradoras privadas reembolsarão os custos dos testes em casa para mais de 150 milhões de norte-americanos cobertos por seguros privados.

Além disso, as comunidades locais, como centros de saúde e clínicas rurais, oferecerão testes gratuitos para aqueles que não estão cobertos por seguros privados.

O presidente também anunciará a implantação de mais de 60 equipes de resposta de emergência “Winter Covid” disponíveis para estados para combater surtos e casos crescentes da doença nacionalmente, expandindo um programa do verão e outono.

Este é um texto traduzido. Para ler o original em inglês, clique aqui.

Mais Recentes da CNN