Eventos-teste no RJ vão avaliar transmissibilidade da Delta, diz membro de Comitê

À CNN Rádio, Alberto Chebabo afirmou que testes servirão para avaliar quais medidas sanitárias precisam ser mantidas

Partida entre Flamengo e Grêmio pela Copa do Brasil marcou a volta de público ao Maracanã
Partida entre Flamengo e Grêmio pela Copa do Brasil marcou a volta de público ao Maracanã Marcelo Cortes / Flamengo

Amanda Garciada CNN

São Paulo

Ouvir notícia

Os próximos eventos-teste que serão realizados no Rio de Janeiro oferecerão um cenário “do mundo real” para avaliar a ação da variante Delta do novo coronavírus, de acordo com Alberto Chebabo, que é membro do Comitê Especial de Enfrentamento à Covid-19 do RJ.

Em entrevista à CNN Rádio nesta sexta-feira (24), ele, que também é vice-presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia, afirmou que a maior parte das cidades do mundo, quando avançaram na vacinação contra a Covid-19 e tiveram queda na transmissão dos casos, passaram a organizar shows, encontros e atividades esportivas para testar o momento da pandemia.

“Atingirmos pelo menos 50% da população completamente vacinada e o Rio de Janeiro vem tendo cenário epidemiológico favorável [para eventos]”, garantiu.

Em ao menos três dos oito eventos programados no Rio serão permitidas aglomerações e o uso de máscara será dispensado.

“A intenção é ver se, com a variante Delta, aliada a vacinação e todos os participantes testados, há condição de fazer os eventos com segurança”, explicou.

Segundo Chebabo, “testes podem dar certo ou errado”, mas que eles servirão para “avaliação de quais medidas precisam ser mantidas ou não.”

Alberto Chebabo destacou que todas as pessoas que participarem dos eventos autorizam a prefeitura a acompanhar os resultados de testes para covid, com monitoramento do CPF, por até 15 dias.

O melhor momento da pandemia na América do Sul, para o infectologista, pode ser explicado por dois motivos: o avanço da vacinação e a saída do período de inverno, que representa maior risco de infecções por doenças das vias respiratórias.

Mais Recentes da CNN