Fiocruz: Falta de levantamento epidemiológico pode aumentar casos de dengue

Fundação alerta que municípios brasileiros não fizeram o levantamento por causa da pandemia de Covid-19

Cleber Rodrigues e Isabelle Resende da CNN, no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

A Fundação Oswaldo Cruz fez um alerta esta semana sobre problemas que podem agravar a proliferação do mosquito Aedes Aegypti e, consequentemente, aumentar os casos de dengue, zika, e a chikungunya no País.

De acordo com a Fundação Oswaldo Cruz, por causa da pandemia de Covid-19, muitos municípios brasileiros não fizeram o Levantamento Rápido de Índice de Infestação por Aedes Aegypti, mais conhecido como LIRAa, e isso pode atrapalhar as políticas de enfrentamento ao mosquito.

Leia também:
Após fracasso, Saúde vai abrir novo pregão de seringas e agulhas mais caras
Rapidez com que chega aos pulmões pode tornar nova cepa de Covid-19 mais contagiosa
Estudo da Fiocruz sobre uso da BCG contra Covid-19 é ampliado para Manaus

Mosquito da Dengue Aedes Aegypti
Mosquito da espécie Aedes aegypti, transmissora da dengue, da zika e da chikungunya
Foto: Estadão Conteúdo

“Neste ano atípico, agentes de saúde de milhares de cidades espalhadas pelo país não conseguiram realizar as vistorias periódicas em residências para checar o índice de infestação de Aedes, dado fundamental para subsidiar a definição de estratégias de políticas públicas para o enfrentamento das arboviroses”, explica Denise Valle, pesquisadora do Laboratório de Biologia Molecular de Flavivírus do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz).

Entre 29 de dezembro de 2019 e 12 de dezembro do ano passado (2020), foram notificados 979.764 casos prováveis de dengue no país. Nesse período, a região Centro-Oeste apresentou a maior incidência com 1.200 casos/100 mil habitantes, seguida das regiões Sul (934,1 casos/100 mil habitantes) e Sudeste (376,4 casos/100 mil habitantes). No período de janeiro a junho (SE 1 a SE 26), ocorreram 90,6% dos casos de dengue (887.767) no país.

A Fiocruz reforça, ainda, que às altas temperaturas do verão, aliadas à rapidez no desenvolvimento do mosquito, podem aumentar a propagação das doenças. Do ovo à fase adulta, o ciclo completo leva de 7 a 10 dias.

“Cada fêmea pode colocar até 1.500 ovos. É importante olhar a casa com ‘olhos de mosquito’, procurando todo e qualquer local que acumule água e possa ser usado para reprodução do vetor”, conclui a especialista, que destaca, também, a importância dos 10 minutos por semana, recomendados pelo Ministério da Saúde no combate ao vetor do Aedes, como recipientes e qualquer local que acumule água.
Também é necessário ficar atento a criadouros menos convencionais como calhas de chuva, ralos externos, vasilhas de animais, bandeiras de ar-condicionado e de geladeiras, vasos sanitários desativados ou pouco utilizados, entre outros.

Mais Recentes da CNN