Rapidez com que chega aos pulmões pode tornar nova cepa mais contagiosa

Mutação da Covid-19 começou no Reino Unido e já se espalhou por mais de 30 países e chegou inclusive no Brasil.

Will Marinho, da CNN, em São Paulo
05 de janeiro de 2021 às 05:00 | Atualizado 06 de janeiro de 2021 às 06:53

 

A variante do novo coronavírus identificada no Reino Unido e em mais 36 países até esta terça-feira (5) deixou o mundo em estado de alerta.

Enquanto os países correm contra o tempo para vacinar os cidadãos, parte da comunidade científica se preocupa em responder se a nova cepa do coronavírus tem maior transmissibilidade e o que pode torná-la mais contagiosa.

“Todos os indícios apontam que sim [ela é mais transmissível]. O NERVTAG apontou que essa variante representava 20% dos casos em novembro e passou para 70% em dezembro na Inglaterra. E isso mesmo durante as medidas restritivas", explica o imunologista e professor universitário Eduardo Nolasco, se referindo a uma nota publicada pelo Grupo Consultivo de Ameaças de Vírus Respiratórios Novos e Emergentes (NERVTAG) em 19 de dezembro.

A maior transmissibilidade da variante se dá pelo acesso mais rápido que ela tem aos pulmões.

“Essa nova mutação se liga com maior rapidez à proteína ECA2, que está presente em abundância em nosso pulmão. Por isso o vírus chega mais rápido e com mais potência ao nosso organismo", pontua o imunologista.

Leia e assista também:
Variante da Covid-19 encontrada no Reino Unido já chegou a 35 países
Nova variante é detectada em testes já usados no Brasil, diz laboratório

Ilustração em aquarela mostra partículas do novo coronavírus
Ilustração em aquarela mostra partículas do novo coronavírus
Foto: Elena Mozhivo/Unsplash


 A publicação dos cientistas também alerta que não existem ainda indícios de que a variante seja mais mortal do que a versão anterior do vírus.

"Não há nenhuma evidência atual que sugira que a nova cepa cause uma taxa de mortalidade mais alta ou que afete vacinas e tratamentos, embora um trabalho urgente esteja em andamento para confirmar isso", pontua o documento.

A vacina pode combater a variante?

“Sim. Os anticorpos induzidos pela vacina atuam bloqueando [no novo coronavírus] a proteína que ele usa para entrar na célula [a proteína S]. E estimula também a produção de células T, que atacam as nossas células que já foram infectadas. Com base nisso, a vacinação também é um mecanismo eficiente contra esta nova cepa", comenta Nolasco.

O próprio Reino Unido foi um dos primeiros países a iniciar a vacinação. Além dos britânicos, mais 47 nações em todo o mundo já começaram o processo de imunização. 

Novo lockdown na Inglaterra

Na tentativa de combater a proliferação da variante do novo coronavírus, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson, decretou lockdown em todo país nessa segunda-feira (4).

Dentre as medidas adotadas, estão o fechamento de escolas e orientações para que os britânicos trabalhem no sistema home office. “Agora nós precisamos fazer tudo o que é possível para parar essa variante”, disse Johnson.

Nova cepa no Brasil

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo (SES-SP), foram confirmados nessa segunda-feira (4) os dois primeiros casos da variante inglesa do vírus no Brasil. 

Uma mulher de 25 anos e um homem de 34 anos, ambos moradores de São Paulo, testaram positivo para a nova cepa, segundo investigações do Laboratório Estratégico do Instituto Adolfo Lutz.

Ambos se infectaram após contato com viajantes que vieram do território britânico. Os dois pacientes seguem em observação.