Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Fiocruz: Pedido de uso emergencial da vacina de Oxford deve ser feito na sexta

    Marco Krieger, vice-presidente da fundação, afirma que detalhes burocráticos causam a demora no pedido

    Lucas Janone, da CNN, no Rio de Janeiro

    Vice-presidente de produção e inovação em Saúde da Fiocruz, Marco Krieger confirmou que o pedido à Anvisa para o uso emergencial da vacina contra Covid-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com a AstraZeneca deve acontecer nesta sexta-feira (8).

    À CNN, o vice-presidente afirmou que detalhes burocráticos ainda impedem o pedido. “O plano [para o pedido emergencial] é conservador e feito com muita segurança, por isso a demora com o registro”, explicou.

    Leia também:
    Após dois adiamentos, SP confirma apresentação de dados da Coronavac na quinta
    Voo comercial espalhou Covid-19 mesmo após realização de testes nos passageiros
    Vacina contra Covid-19 vinda da Índia atenderia até 6,3% dos grupos prioritários

    Fiocruz produzirá vacina em parceria com a Universidade de Oxford
    Fiocruz produzirá vacina em parceria com a Universidade de Oxford e o laboratório AstraZeneca
    Foto: Cadu Rolim/FotoArena/Estadão Conteúdo

    Em paralelo, a Fiocruz concluiu, nesta terça-feira (5), a aquisição e distribuição de 2 milhões de doses extra do imunizante produzido pela AstraZeneca e a Universidade de Oxford. O valor total do acordo é de R$ 59.400.000.

    Marco Krieger voltou a confirmar que o registro regular do imunizante corre paralelamente ao pedido provisório e será concluído em qualquer cenário. “Vamos adicionalmente pedir o uso emergencial, mas a ideia é ter a autorização permanente da vacina o quanto antes”, afirmou o vice-presidente.

    A Fiocruz pretende entregar os documentos finais para o registro da vacina de Oxford no Brasil até 15 de janeiro. Para Krieger, o envio dos últimos dados pode ser feito antes do dia planejado. Segundo ele, o processo “andou muito bem”.

    A Fiocruz prevê produzir 100 milhões de doses da vacina a partir de ingrediente farmacêutico ativo (IFA) importado no primeiro semestre do ano que vem. No segundo semestre, mais 110 milhões de doses devem ser produzidas inteiramente no Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos), vinculado à fundação.

    Destaques da CNN Brasil Business
    Centauro e Fisia abrem vagas de trainee com salário de R$ 6.500
    Ainda vale entrar na bolsa? Veja 8 ações recomendadas para 2021
    Gol vê alta de 33% na demanda doméstica em dezembro ante novembro