Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Com novo turno, Fiocruz prevê entregar 4,7 milhões de doses nesta semana

    Com o incremento na linha de produção das vacinas, a fundação produzirá 1,2 milhão de doses diárias; aumento será de 33% da capacidade a partir de maio

    Stéfano Salles eThayana Araujo, da CNN, no Rio de Janeiro

    Ouvir notícia

    A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) informou à CNN que atingiu o que considera ser um patamar alto de entrega de vacinas da Covid-19 ao Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde. Até a próxima sexta-feira (23), serão entregues 4,7 milhões de novas doses ao Ministério da Saúde. As remessas da semana começam a ser enviadas a partir desta quarta-feira (21). 

    Em maio, a instituição começa a implementar mais um turno de produção de vacina na segunda linha de produção do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (BioManguinhos/Fiocruz).

    Com isso, a capacidade de fabricação diária do imunizante vai aumentar 33%, passando das atuais 900 mil doses para 1,2 milhão. A informação foi confirmada oficialmente pela assessoria de imprensa da instituição. 

    Atualmente, cerca de 500 profissionais estão envolvidos na cadeia produtiva da Fiocruz para a fabricação dos imunizantes, em diferentes atividades que contam com trabalho 24 horas por dia. 

    “Chegamos à escala máxima de cinco milhões de entregas por semana, sempre às quartas e sextas. Este e um patamar bem alto porque alcançamos o máximo da produção com duas linhas. Agora estamos na expectativa de mais um turno de trabalho”, informou a Fiocruz, por meio de nota. 

    A unidade de BioManguinhos atua com duas linhas de produção exclusivas para o imunizante desenvolvido pela parceria entre a Universidade de Oxford, da Inglaterra, e o laboratório anglo-sueco AstraZeneca. No entanto, até o momento, apenas uma delas conta atualmente com funcionamento em dois turnos.

    A Fiocruz não soube estimar para quando estão previstas as próximas remessas do ingrediente farmacêutico ativo (IFA), necessário para a produção de mais vacinas. O produto é importado da China. No entanto, a instituição prevê o início da produção local do insumo para maio, nas dependências de BioManguinhos. 

    A produção de um lote de IFA, segundo a fundação, leva em média 45 dias. Também são necessários outros 25 dias para envasamento e avaliação pelo setor de controle de qualidade da instituição.

    Na última semana, a fundação totalizou 14,8 milhões de doses do imunizante entregues ao PNI do Ministério da Saúde. “Daqui pra frente serão em média 5 a 6 milhões por semana”, afirmou a assessoria de imprensa do órgão. 

    Após pedido do governo do Rio de Janeiro, a Fiocruz entregou as doses de vacina da Oxford/AstraZeneca diretamente à Secretaria de Estado de Saúde (SES), que as armazena e distribui na Coordenação Geral de Armazenagem (CGA/SES), em Niterói, na região metropolitana. 

    De acordo com a pasta, a medida agiliza a distribuição da vacina, uma vez que os lotes destinados ao estado não precisam mais sair do Rio de Janeiro, passar pelo Centro de Distribuição do Ministério da Saúde, na capital paulista, e voltar para o estado de origem.

    Tópicos

    Mais Recentes da CNN