Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Hidroxicloroquina não deve ser prescrita a hospitalizados, diz diretor do HCor

    Pesquisadores brasileiros conduziram um estudo que mostrou que o uso da substância pode aumentar o risco de arritmia cardíaca e lesão no fígado

    Em entrevista à CNN, o diretor do Instituto de Pesquisas do HCor, Alexandre Biasi, disse nesta sexta-feira (24) que, com base no estudo publicado ontem no jornal acadêmico The New England Journal of Medicine – feito pelos principais hospitais privados do Brasil –, a hidroxicloroquina não deveria continuar sendo prescrita a pacientes hospitalizados em decorrência do novo coronavírus.

    “Há evidências confiáveis de que não há eficácia e, portanto, não faria sentido a prescrição para pacientes hospitalizados”, afirmou ele, acrescentando que, para pacientes no início do quadro clínico, a droga “ainda é dúvida”.

    Para Biasi, a expectativa agora com relação ao uso da hidroxicloroquina é fazer outros estudos e tentar identificar remédios que possam ajudar no tratamento de Covid-19.

    Segundo ele, a pesquisa do grupo mostrou que a substância causa alterações nos exames hepáticos e em eletrocardiogramas de quem a usa.

    Assista e leia também:

    Associação defende autonomia de médicos para uso de hidroxicloroquina

    Sociedade Brasileira de Infectologia recomenda o abandono da hidroxicloroquina

    Hidroxicloroquina não ajuda pacientes da Covid-19 não hospitalizados, diz estudo

    O diretor explicou também que o estudo não incluiu pacientes que estavam em casa, somente os hospitalizados que não estavam em estado grave.

    Biasi faz parte de um grupo de cientistas brasileiros que conduziu a pesquisa que mostrou que o uso de cloroquina e da hidroxicloroquina pode aumentar o risco de arritmia cardíaca e lesão no fígado, e as substâncias não têm efeito sobre o novo coronavírus, sendo ineficazes para o tratamento de pacientes infectados.

    A pesquisa é uma entre as nove realizadas pela Coalizão Covid-19, que avalia a eficácia e a segurança de potenciais terapias para pacientes diagnosticados com a doença. 

    Albert Einstein, HCor, Sírio-Libanês, Moinhos de Vento, Oswaldo Cruz e a Beneficência Portuguesa de São Paulo. Além deles, também fazem parte da coalizão o Brazilian Clinical Research Institute (BCRI) e a Rede Brasileira de Pesquisa em Terapia Intensiva (BRICNet) fazem parte do grupo.