Intervalo da terceira dose será reduzido de cinco para quatro meses, anuncia Queiroga

Ministro da Saúde afirma que governo vai adotar a medida para ampliar a proteção contra a variante Ômicron do coronavírus

Léo Lopesda CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

O governo federal vai reduzir o intervalo de aplicação da terceira dose da vacina contra Covid-19 de cinco para quatro meses.

A informação foi anunciada pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em publicação no Twitter.

A portaria com a modificação deve ser publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira (20).

“Para ampliar a proteção contra a variante Ômicron vamos reduzir o intervalo de aplicação da 3ª dose de cinco para quatro meses”, escreveu o ministro.

“A dose de reforço é fundamental para frear o avanço de novas variantes e reduzir hospitalizações e óbitos, em especial em grupos de risco”, complementou.

Terceira dose no Brasil

Após ter iniciado, em setembro, a aplicação da terceira dose da vacina contra Covid-19 em idosos e imunossuprimidos, o Brasil expandiu a vacinação com dose adicional e passou, em novembro, a aplicar uma dose de reforço da vacina para toda a população acima de 18 anos.

Por que é necessário aplicar a terceira dose?

A aplicação de uma dose de reforço tem sido defendida por especialistas diante da alta de infecções entre imunizados com as duas doses, como foi o caso do ator Tarcísio Meira, que morreu em agosto.

Também há evidências científicas de que a proteção induzida pelas vacinas cai ao longo do tempo, o que coloca em risco, principalmente, os grupos mais vulneráveis.

Isso significa que a vacina é ineficaz?

Não. Estudos científicos e o monitoramento da aplicação das vacinas revelam que os imunizantes contra a Covid-19 são eficazes contra o coronavírus e funcionam contra as variantes já conhecidas.

Pode existir, no entanto, uma queda do nível de proteção vacinal ao longo do tempo.

Quando a dose de reforço começou a ser aplicada?

A vacinação com terceira aplicação começou no Brasil no início de setembro. O Ministério da Saúde previa o início da vacinação com dose de reforço a partir de 15, mas o governo de São Paulo adiantou o início da nova etapa para o dia 6 daquele mês.

Quais grupos estão recebendo a terceira dose?

Em um primeiro momento, apenas idosos acima dos 60 anos, imunossuprimidas e profissionais de saúde receberam o reforço com a terceira dose.

Em 16 de novembro, porém, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, ampliou a imunização com dose adicional, contemplando toda a população acima de 18 anos.

A intenção da pasta é aplicar o reforço em 103 milhões de pessoas até maio.

O reforço será dado só para quem tomou a Coronavac?

Não. A dose de reforço vai ser aplicada nos indivíduos elegíveis, que tomaram qualquer um dos imunizantes disponíveis no país.

Qual deve ser o intervalo entre doses?

Para que uma pessoa seja elegível para receber a dose adicional, além de ter mais de 18 anos, é necessário que ela tenha recebido uma segunda dose ou dose única de imunizante há pelo menos quatro meses.

Como funciona para quem recebeu vacina da Janssen?

O Ministério da Saúde anunciou que as pessoas que tomaram a vacina da Janssen, da farmacêutica Johnson & Johnson, precisarão tomar uma segunda dose do imunizante.

A aplicação deverá ser feita dois meses após a primeira dose. O reforço para essas pessoas também será feito quatro meses após o esquema vacinal completo.

Quantas pessoas já receberam dose adicional?

De acordo com levantamento da Agência CNN, pelo menos 22.574.399 pessoas já receberam a terceira dose no Brasil.

Quais vacinas estão sendo usadas?

O Ministério da Saúde disse que há preferência pela vacina da Pfizer, mas também podem ser usadas vacinas da Janssen ou da AstraZeneca.

Deve-se privilegiar ainda, segundo a pasta, a imunização heteróloga, que é feita com um imunizante diferente do que foi aplicado nas primeiras doses.

* Com informações de Estadão Conteúdo

Mais Recentes da CNN